Notícias » Arqueologia

Pesquisa feita por brasileiros estuda a relação entre o passado e as ocupações contemporâneas em tumbas no Egito

O Programa Brasileiro Arqueológico no Egito divulgou recentemente novas perspectivas que surgiram como resultado do trabalho

Penélope Coelho Publicado em 05/02/2021, às 12h39

Imagem do templo de Luxor, no Egito
Imagem do templo de Luxor, no Egito - Wikimedia Commons

De acordo com informações divulgadas pelo portal da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), após diversas investigações no território egípcio, o Programa arqueológico brasileiro no Egito, conseguiu ‘trazer’ os antigos faraós para a modernidade.

Isso porque a pesquisa coordenada pela UFMG averigua as ocupações contemporâneas em tumbas no Egito e revela uma nova perspectiva sobre o período faraônico. Segundo descrito na publicação, o Programa Brasileiro Arqueológico no Egito (Bape, de Brazilian Archaeological Program in Egypt) apresentou recentemente os resultados do trabalho.

Pesquisadores durante expedição no Egito: Crédito: DIvulgação / Bape

 

A pesquisa está sendo feita na Necrópole Tebana, localizada em Luxor, no Egito e revela uma nova maneira de entender o passado, reconhecendo que os patrimônios das tumbas não apresentam somente uma única realidade fixa.

De acordo com a reportagem, as antigas tumbas são vistas pelos moradores locais como espécie de ‘casa mais moderna’, o que explica a mudança na paisagem com o tempo. Agora, os especialistas entendem a região como um espaço determinado pelas relações que acontecem no local.

Artefatos encontrados durante pesquisas no Egito / Crédito: Divulgação / Bape

 

“Percebemos que nossa visão normativa dificultava um olhar alternativo na prática arqueológica”, revelou o coordenador da pesquisa, José Roberto Pellini. Segundo o pesquisador, essa nova visão trouxe à tona uma perspectiva diferente para a discussão. 

“Quem poderia imaginar que uma tumba egípcia que atrai milhões de turistas de todo o mundo poderia ser usada para secar esterco ou criar galinhas? Essa não é a imagem que temos de uma tumba do período faraônico, nem a imagem que circula nos documentários. Mais do que oferecer esse novo ponto de vista, queremos invocar outras possíveis realidades. É uma tumba, mas também já foi uma casa”, afirma Pellini.

Sobre o Egito Antigo

O Egito Antigo atrai e fascina muita gente no Brasil e no mundo, chamando a atenção não só dos fãs de história, antenados nas últimas descobertas, mas também entre pesquisadores ao redor do globo, que sonham em participar de escavações no país e declarar incríveis descobertas. 

Corriqueiramente são encontrados novos objetos ou investigados monumentos já conhecidos, mas nunca antes abertos, o que gera imagens incríveis de olhar, interiores de túmulos, grandes painéis, pinturas épicas e uma interessante gama de objetos com mais de 3.000 anos.

Além das grandiosas obras de engenharia e arquitetura, os antigos egípcios criaram o calendário, a pasta de dentes, a operação no cérebro e até palavras que usamos no Brasil

Apesar de todo o mistério que cerca grande parte dos feitos dos antigos egípcios, algumas realizações, descobertas e hábitos daquele povo estão hoje entre nós.