Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Mundo

Pesquisadores descobrem animal de 500 milhões de anos com 3 olhos

Fóssil espantou os especialistas no momento que contabilizaram os órgãos, veja

Alan de Oliveira | @baco.deoli Publicado em 12/07/2022, às 07h44 - Atualizado às 09h26

Fóssil da espécie Stanleycaris sendo estudado - Divulgação/ Museu Real de Ontário
Fóssil da espécie Stanleycaris sendo estudado - Divulgação/ Museu Real de Ontário

Um grupo de paleontólogos do Museu Real de Ontário, Canadá, publicou um artigo detalhado sobre as suas últimas descobertas, na sexta-feira, 8. Trata-se de um aglomerado de fósseis de aparência bizarra da espécie Stanleycaris, que vagavam o planeta há 500 milhões de anos. O resultado foi divulgado na revista Current Biology.

Conforme a apuração do portal Galileu, a espécie achada ainda continha pedaços de cérebro e dos nervos, o que possibilitou o tratamento do fóssil para exames profissionais.

Sendo um dos parentes distantes dos insetos atuais, o fóssil pode ajudar a elucidar como surgiram os animais artrópodes, invertebrados dotados de esqueleto externo.

Representação artística da espécie/ Divulgação/ Museu Real de Ontário
“Embora cérebros fossilizados do Período Cambriano não sejam novos, esta descoberta destaca-se pela surpreendente qualidade de preservação e pelo grande número de espécimes. Podemos até distinguir detalhes, como os centros de processamento visual que atendem aos olhos grandes, e traços de nervos que entram nos apêndices. Os detalhes são tão claros que é como se estivéssemos olhando para um animal que morreu ontem”, disse o principal escrito do estudo, Joseph Moysiuk.

Característica da descoberta

Os fósseis identificados pelos pesquisadores apontam que os animais do gênero tinham o cérebro dividido em dois segmentos. Os artrópodes atuais têm o mesmo órgão divido em três partes.

“Concluímos que um cérebro de dois segmentos tem raízes profundas na linhagem dos artrópodes e que sua evolução provavelmente precedeu o cérebro de três segmentos que caracteriza todos os membros vivos desse filo animal”, explicou Moysiuk.

Por fim, foi realizada a classificação da espécie. Segundo os pesquisadores, ela pertenceria à ordem dos Radiodonta, inteiramente extinta na atualidade. Mas algo que fascinou os estudiosos, foi o fato dos Stanleycaris se diferenciarem de todos os outros por um detalhe bem atípico, a presença de um terceiro olho.

 “A presença de um enorme terceiro olho em Stanleycaris foi inesperada. Ele enfatiza que esses animais eram ainda mais bizarros do que pensávamos, mas também nos mostra que os primeiros artrópodes já haviam desenvolvido uma variedade de sistemas visuais complexos, como muitos de seus parentes modernos”, disse Jean-Bernard Caron, curador do Museu Real de Ontário.

Você pode conferir o estudo completo por meio deste link.