Notícias » China

Pesquisadores descobrem tumbas da dinastia Han de 1.800 anos na China

Em formato piramidal, as sepulturas foram localizadas rodeadas de itens de cobre e cerâmica além de pinturas coloridas milenares

Wallacy Ferrari Publicado em 12/11/2020, às 07h41 - Atualizado às 09h32

Os ornamentos funerários descobertos pela equipe chinesa
Os ornamentos funerários descobertos pela equipe chinesa - Instituto de Turismo Cultural do Distrito de Decheng

Enquanto realizavam uma escavação para a construção de um edifício em Shandong, na China, uma impressionante estrutura antiga começou a aparecer conforme o nível do solo diminuía. Curiosos, os responsáveis pela obra decidiram solicitar o amparo do Instituto de Turismo Cultural do Distrito de Decheng para realizar o trabalho arqueológico no local.

Para a surpresa da equipe, uma série de tumbas antigas confeccionadas com tijolos e datadas de mais de 1,8 mil anos foram encontradas em meio a um bairro repleto de prédios. Com características do final da Dinastia Han, a inspeção contou com o amparo do Instituto Provincial de Relíquias e Arqueologia Culturais de Shandong, que mandou profissionais para a equipe que realizou a escavação, preservando as pinturas coloridas presentes nas paredes das tumbas.

Desenhos coloridos em paredes das tumbas / Crédito: Instituto de Turismo Cultural do Distrito de Decheng

 

As tumbas possuem uma média de 18 metros de comprimento e 5 metros de largura, sendo decoradas com ilustrações de plantas, peixes, estrelas e diversas formas geométricas usando tinta de extrações naturais, como o vermelho, extraído do minério de cinábrio. Dentro das construções, a equipe ainda localizou diversos objetos de cerâmica e itens confeccionados com cobre nos sepultamentos.

Zhao Fangchao é o diretor do Instituto Provincial de Relíquias Culturais e Arqueologia de Shandong e explicou que a descoberta não era esperada: "Esta escavação arqueológica é uma escavação arqueológica de resgate. Pensamos que era uma pequena tumba no início, mas não esperávamos ter uma alegria inesperada depois de vir”, disse ao portal chinês Xinhua, que noticiou a descoberta.