Notícias » Paleontologia

Pesquisadores encontram fóssil de ancestral dos cães de 24 milhões de anos

O 'cachorro antigo' está com os ossos íntegros, com exceção do rabo, podendo ser de espécie inédita

Wallacy Ferrari Publicado em 04/05/2022, às 13h22

Esqueleto fossilizado em imagem
Esqueleto fossilizado em imagem - Cypress Hansen/Museu de História Natural de San Diego

Uma equipe de pesquisadores localizou um curioso fóssil de uma espécie de canídeo predador durante uma expedição em San Diego, nos Estados Unidos, revelando tratar-se de um raro esqueleto do ancestral dos cachorros, pertencente a um grupo de animais intitulado Archeocyons.

A descoberta foi revelada pela agência Tribune Content na última terça-feira, 3, e detalhou que a criatura teria vivido no período Oligoceno, estimado entre 24 e 28 milhões de anos atrás, muito antes dos registros mais antigos domesticação de cães por humanos, destinados a caça. Contudo, ainda não há certeza se o fóssil é de uma espécie inédita.

Ele teve sua escavação iniciada em 2019, após a abertura de um espaço para uma construção, sendo descoberto entre pedaços de arenito e lamito. Após a retirada cuidadosa, foi levada por paleontólogos ao Museu de História Natural de San Diego, que realizam análises laboratoriais para entender a origem do animal.

Imagem aproximada de cabeça de canídeo fossilizada / Crédito: Cypress Hansen/Museu de História Natural de San Diego

Exames minuciosos

Apesar do desconhecimento da espécie, a assistente de curadoria, Amanda Linn, explicou ao Phys.org que as características externas iniciais do fóssil já indicavam uma espécie antiga de canídeo. Agora, tentam recriá-lo digitalmente para analisar como eles se locomoviam, se relacionavam com outras criaturas e até mesmo, como eram seus hábitos de casa.

“Toda vez que eu descobri um novo osso, a imagem ficou mais clara. Eu dizia: 'Olha, aqui é onde esta parte se encaixa com este osso, aqui é onde a coluna se estende até as pernas, aqui é onde está o resto das costelas'”, recorda a pesquisadora, acrescentando que a única parte do animal que não está inteira é a cauda.

+Confira o artigo da descoberta completo em inglês