Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Escorpião

Pesquisadores registram espécie de aracnídeo pegando carona em escorpião

Um estudo sobre o fenômeno, que foi observado pela primeira vez por pesquisadores, foi publicado no periódico Arachnologische Mitteilungen: Arachnology Letters

por Giovanna Gomes

ggomes@caras.com.br

Publicado em 24/01/2024, às 11h14

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Escorpião com pseudoescorpiões em seu dorso - Divulgação
Escorpião com pseudoescorpiões em seu dorso - Divulgação

Um registro inédito envolvendo pseudoescorpiões "pegando carona" em escorpiões foi documentado pela primeira vez por pesquisadores. A notável descoberta foi publicada em 29 de dezembro de 2023 no periódico Arachnologische Mitteilungen: Arachnology Letters.

Trata-se de uma observação singular de forésia, um fenômeno estabelecido entre os pseudoescorpiões, caracterizado pela sua fixação em hospedeiros para promover a dispersão em novos ambientes.

Esses aracnídeos já haviam sido previamente documentados fixando-se em diversas espécies, desde mamíferos e aves até diferentes ordens de insetos. No entanto, de acordo com o portal Galileu, este é o primeiro registro de forésia entre pseudoescorpiões e escorpiões mirmecófilos, ou seja, aqueles que vivem em associação com formigas.

O que foi observado

O estudo, liderado por Yoram Zvik, Sharon Warburg e Efrat Gavish-Regev, das Coleções Nacionais de História Natural na Universidade Hebraica de Jerusalém, concentrou-se em duas espécies endêmicas: os pseudoescorpiões Nannowithius wahrmani, pertencentes à família Withiidae, e o escorpião Birulatus israelensis. A família Withiidae, com 37 gêneros e 170 espécies, é facilmente encontrada em regiões tropicais e subtropicais.

A descoberta surgiu como parte do estudo de mestrado de Zvik, atualmente um estudante de doutorado no laboratório do professor Eran Gefen, na Universidade de Haifa. A pesquisa, realizada ao longo de sete anos a partir de 2016, envolveu estudos de campo, monitoramento específico de ninhos e observações de campo e gravações de vídeo nas proximidades dos formigueiros.

Mais de mil observações de B. israelensis foram registradas durante centenas de dias de monitoramento. Os pseudoescorpiões N. wahrmani, por outro lado, foram avistados em apenas duas datas, ambas no final da primavera no Hemisfério Norte.

Em 7 de maio de 2018, um único B. israelensis foi coletado com dois pseudoescorpiões em seu dorso, e em 27 de abril de 2023, durante um evento de monitoramento, sete escorpiões foram coletados "dando carona" para grupos de dois a seis pseudoescorpiões. Após as coletas, houve alguns N. wahrmani que permaneceram no dorso do escorpião por mais de três semanas em cativeiro.

+ Confira aqui o estudo completo.

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!