Notícias » Arqueologia

Pesquisadores restauram máscara gigante de 2 mil anos do Império Maia

Medindo o tamanho de um ser humano adulto, o artefato foi encontrado em 2017 no estado mexicano de Yucatán

Alana Sousa Publicado em 27/01/2021, às 11h30

Máscara maia de tamanho impressionante
Máscara maia de tamanho impressionante - Instituto Nacional de Antropologia e História do México

No estado de Yucatán, localizado no México e famoso pelos vestígios deixados pelos maias, o arqueólogo Jacob Welch encontrou uma máscara rara feita de gesso que pertencia ao grandioso império mesoamericano. Apesar de a descoberta ter sido feita em 2017, apenas agora os especialistas foram capazes de reconstruí-la, de acordo com a agência Novedades Yucatán.

O projeto foi realizado por profissionais do Instituto Nacional de Antropologia e História do México (INAH), que também se impressionaram com a magnitude do artefato. “Tão alta quanto uma pessoa”, a escultura retrata uma divindade ou um nobre que remonta aos anos 300 a.C. a 250 d.C. — referente ao período pré-clássico tardio do Império Maia.

Arqueólogos trabalhando na restauração da máscara / Crédito: Instituto Nacional de Antropologia e História do México

 

Com cerca de dois metros de altura, as imagens mostram uma cabeça alongada com um grande nariz, o que os arqueólogos ainda não podem concluir, com certeza, o significado. Em comunicado, o INAH revelou que “a máscara de Ucanha representa um elemento único nesta região”.

Quanto ao tempo de restauração, os especialistas afirmaram em declaração que devido à riqueza da estátua, precisaram enterrá-la novamente logo depois de encontra-la, pois, era preciso analisar a área antes de começar a cavar o perímetro por inteiro. Depois de tirada do solo, os pesquisadores limparam o objeto e reforçaram suas partes frágeis.

Atualmente ela está localizada no sítio arqueológico de  Ucanha, que não é aberto ao público.

Sobre arqueologia

Descobertas arqueológicas milenares sempre impressionam, pois, além de revelar objetos inestimáveis, elas também, de certa forma, nos ensinam sobre como tal sociedade estudada se desenvolveu e se consolidou ao longo da história. 

Sem dúvida nenhuma, uma das que mais chamam a atenção ainda hoje é a dos egípcios antigos. Permeados por crendices em supostas maldições e pela completa admiração em grandes figuras como Cleópatra e Tutancâmon, o Egito gera curiosidade por ser berço de uma das civilizações que foram uma das bases da história humana e, principalmente, pelos diversos achados de pesquisadores e arqueólogos nas últimas décadas.