Notícias » Europa

Pessoas que moram perto de campos de concentração tem maior probabilidade de espalhar ideais racistas, diz estudo

De acordo com pesquisadores estadunidenses, ideologias intolerantes foram passadas de geração em geração na Europa

Isabela Barreiros Publicado em 29/01/2020, às 15h14

Manifestação neonazista nos Estados Unidos
Manifestação neonazista nos Estados Unidos - Getty Images

Psicólogos e especialistas da Universidade Rice, nos EUA, realizaram um estudo que consistiu na análise de arquivos, pesquisas e eleições de países Europeus. A conclusão que o grupo chegou é que, próximo a campos de concentração da Segunda Guerra, os moradores têm tendência a tornarem-se mais intolerantes e xenófobos.

Eles afirmam que isso acontece devido a o que chamaram de "dissonância cognitiva", um estresse psicológico causado pela presença de valores contraditórios em uma sociedade  quando suas crenças são desafiadas por acontecimentos contrários a elas.

Por exemplo, na Alemanha, acreditava-se em uma democracia onde todos seriam respeitados, mas isso não acontecia dentro dos campos. Por isso, a pesquisa indica que, para minimizar esse sofrimento mental, as pessoas que viviam próximas a esses locais desenvolveram intolerâncias.

Assim, os pesquisadores ainda acreditam que tais ideologias racistas podem ter sido passadas de geração em geração, chegando até os dias de hoje.

"Embora as causas do Holocausto tenham atraído ampla atenção acadêmica, suas consequências sociopolíticas a longo prazo são menos compreendidas. Nossas evidências comprovam que, quando se trata de atitudes políticas, essas consequências são reais e mensuráveis ​​até hoje”, alegou o cientista político e integrante do grupo de pesquisa, Jonathan Homola.