Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Piolho comedor de língua

'Piolho comedor de língua' é encontrado durante importação de peixes

Parasita, que destrói língua de peixes, foi encontrado em um contêiner de douradas que seria importado à Inglaterra

Luisa Alves Publicado em 25/06/2022, às 08h29

Peixe com parasita no lugar da língua - Divulgação/Suffolk Coastal Port Health Authority (SCPHA)
Peixe com parasita no lugar da língua - Divulgação/Suffolk Coastal Port Health Authority (SCPHA)

Um parasita conhecido como "piolho comedor de língua" foi encontrado durante uma verificação de rotina realizada no porto de Felixstowe, em Suffolk, Inglaterra. O organismo drena o sangue da língua dos peixes para tomar o lugar do órgão.

De nome Cymothoa exigua, o parasita foi encontrado em um contêiner de douradas que seria importado para a Inglaterra. As informações são do UOL.

Crédito: Divulgação/Suffolk Coastal Port Health Authority (SCPHA)

"Casos como esses são lembretes claros de por que trabalhamos duro para investigar as importações e garantir que sejam seguras para consumo humano", informou Danut Cazacu, da Autoridade de Saúde do Porto Costeiro de Suffolk (SCPHA) à BBC News.

A remessa foi rejeitada e enviada de volta ao seu país de origem por não ter passado pelos procedimentos corretos de fiscalização para chegar à Inglaterra. De acordo com Brenda McRory, líder da SCPHA já foram encontradas outras criaturas durante as importações de alimentos, como larvas, um louva-deus e outros insetos vivos.

Ela também relatou que só havia visto o parasita apenas outras "3 ou 4 vezes" nos últimos 23 anos.

"Piolho comedor de língua"

O isópode parasita Cymothoa exigua adentra a boca do peixe e suga o sangue da língua do animal até que reste apenas o osso. Drenando o órgão, o parasita toma seu lugar. Assim, o "piolho comedor de língua" pode usufruir dos restos de alimentos de seu hospedeiro, além de alimentar-se de muco.

A espécie não representa uma ameaça para a saúde dos humanos. Com relação aos peixes, esses não podem morrer, porque dessa forma, os benefícios do parasita também são cortados. Assim, o isópode estrategicamente substitui a língua do hospedeiro que pode continuar se alimentando.