Notícias » Arqueologia

Povos de Judá do período bíblico sabiam ler e escrever, indica estudo

Conclusão vêm da análise de textos de uma região remota de Judá, que revelaram diversos autores

Ingredi Brunato Publicado em 10/09/2020, às 15h21

Fotografia dos textos de Judá.
Fotografia dos textos de Judá. - Divulgação/ Universidade de Tel Aviv

Nessa quarta, 9, foi publicada na revista científica PLOS ONE uma pesquisa confirmando que a alfabetização era mais disseminada entre os habitantes do reino de Judá do que imaginado anteriormente. Até então, acreditava-se que o domínio da escrita era exclusivo aos escribas reais. 

Os pesquisadores da Universidade de Tel Aviv (TAU) analisaram 18 textos de datados de 600 antes de Cristo, que eram pertencentes a uma pequena região na fronteira de Judá, chamada Tel Arad. Fazendo uso de tecnologias de processamento de imagem e um examinador profissional de caligrafia, eles puderam concluir que haviam pelo menos 12 autores. 

Segundo os especialistas, a discussão sobre a alfabetização no reino de Judá, até então, era baseada na própria Bíblia. Como consequência, eles decidiram mudar esse debate para o campo empírico.

A interpretação consolidada era que os textos bíblicos, que eram mensagens de função ideológica em sua época, eram lidas para o público analfabeto durante eventos. Os achados dos cientistas criam uma narrativa diferente. 

"Considerando que a população de Judá se estimava em não mais que 120.000 pessoas,  e um lugar remoto como Tel Arad teve em um curto período de tempo pelo menos 12 autores, isso significa que a alfabetização não era exclusividade de um punhado de escribas reais em Jerusalém", explicou Israel Finkelstein, um professor envolvido no estudo.