Notícias » Brasil

Prédio do STF sofreu pelo menos sete tentativas de invasão durante protestos no Dia da Independência

A informação foi confirmada por chefes de segurança do Distrito Federal

Redação Publicado em 08/09/2021, às 09h36

Sede do Supremo Tribunal Federal em Brasília, Distrito Federal, Brasil
Sede do Supremo Tribunal Federal em Brasília, Distrito Federal, Brasil - Divulgação/Wikimedia Commons/Leandro Ciuffo

De acordo com informações publicadas na noite de ontem, 7, pelo jornal Folha de São Paulo, houveram pelo menos sete tentativas de invasão ao prédio do Supremo Tribunal Federal (STF), a mais alta instância do poder judiciário brasileiro.

As tentativas aconteceram durante manifestações em apoio ao governo Bolsonaro, em 7 de setembro, dia da Independência do Brasil. A informação foi confirmada por chefes de segurança do Distrito Federal.

Segundo revelado na publicação, duas tentativas de invasão aconteceram pela parte de trás do prédio. Atualmente, o monitoramento na região continua, já que existe a previsão de que apoiadores do presidente realizem mais uma manifestação, nesta quarta-feira, 8.

Durante os protestos de ontem, a polícia usou bomba de gás com objetivo de afastar os manifestantes do local.

Na ocasião, os próprios apoiadores entraram em conflito, como revelaram as autoridades, alguns estimulavam a invasão ao prédio do STF, ao passo que outros tentavam conter o avanço.

Sabe-se que durante os protestos, Bolsonaro afirmou que não irá acatar as decisões do ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes. 

"Dizer a vocês, que qualquer decisão do senhor Alexandre de Moraes, esse presidente não mais cumprirá. A paciência do nosso povo já se esgotou, ele tem tempo ainda de pedir o seu boné e ir cuidar da sua vida. Ele, para nós, não existe mais”, afirmou ele durante discurso para apoiadores em São Paulo.

"Ou esse ministro [ Moraes] se enquadra ou ele pede para sair. Não se pode admitir que uma pessoa apenas, um homem apenas turve a nossa liberdade. Dizer a esse ministro que ele tem tempo ainda para se redimir, tem tempo ainda de arquivar seus inquéritos. Sai, Alexandre de Moraes. Deixa de ser canalha. Deixa de oprimir o povo brasileiro, deixe de censurar o seu povo. Mais do que isso, nós devemos, sim, porque eu falo em nome de vocês, determinar que todos os presos políticos sejam postos em liberdade", disse ele, conforme repercutido pelo portal de notícias G1.