Notícias Era Industrial

Paris-Bordeaux-Paris: a primeira corrida automobilística

Competição se deu em 11 de junho de 1895

sexta 8 junho, 2018
Benz durante a corrida Paris-Bordeaux-Paris
Benz durante a corrida Paris-Bordeaux-Paris Foto:Reprodução

O primeiro automóvel alimentado com combustível derivado do petróleo foi inventado no final de 1885 por Karl Benz. Logo, surgiu o interesse por competir e realizar provas de velocidade com esses veículos em diversas pistas, para experimentar os avanços mecânicos. A escolha do motor de combustão interna, diante dos elétricos ou a vapor, já representou uma função seletiva das primeiras competições.

A França foi o país onde a indústria automobilística se desenvolveu mais rápido, devido à sua infraestrutura industrial e à excelente rede de estradas. A indústria automotriz francesa se iniciou com a patente da Daimler e a colaboração de Émile Levassor, que estabeleceu o automóvel como meio de transporte viável. A corrida Paris-Bordeaux-Paris, de 11 de junho de 1895, é considerada a precursora das corridas de automóveis.

Veja mais

No ano anterior havia sido organizada uma prova para automóveis Paris-Rouen-Paris, com um percurso de 127 quilômetros, mas não se tratava de uma corrida, pois o propósito dos organizadores era uma viagem em caravana para mostrar que os carros eram um meio de transporte com futuro. O vencedor foi um automóvel a gasolina, com motor Daimler.

Recém-terminada a prova de Rouen, um grupo de aficionados se reuniu na casa do conde de Dion para planejar uma corrida de maior envergadura, base do que seria o Automóvel Clube da França, e decidiram organizar, no ano seguinte, uma corrida de 1.200 quilômetros: a Paris-Bordeaux-Paris.

Dos 30 candidatos, 21 passaram pela classificação e foram autorizados a competir. A maioria trazia automóveis franceses, com exceção de dois Benz, um Vincke belga e uma moto alemã. Um Peugeot-Michelin foi o primeiro automóvel a usar rodas pneumáticas.

Às 10 horas do dia 11 de junho de 1895, os participantes se reuniram no Arco do Triunfo e saíram em procissão para Versalhes, onde, ao meio-dia, ocorreu a largada. Ao longo do percurso havia pontos de controle e cada um dos participantes havia previsto estações de reabastecimento e troca de tripulação. A velocidade alcançou a média de 20 quilômetros por hora, muito respeitável para a época.

Primeira corrida automobilística Reprodução

Émile Levassor foi o primeiro a cruzar a linha de chegada, após 48 horas e 48 minutos de prova. Ele conduzia um veículo de fabricação própria, da manufatureira Panhard & Levassor, equipado com motor bicilíndrico de 1,2 litro. Seis horas depois, o competidor Louis Rigoulot se tornava o segundo a completar a jornada. 

No entanto, tanto Levassor quanto Rigoulot dirigiam automóveis que transportavam apenas duas pessoas. E, de acordo com as regras da corrida, o vencedor deveria estar a bordo de um carro de quatro lugares. Paul Koechlin, que seguiu as regras e completou a prova em 59 horas e 48 minutos, foi considerado o grande vencedor.

Nas corridas que se seguiram, a velocidade média aumentou e, em 1899, já superava os 100 quilômetros por hora. Em 1900, em Lyon, foi realizado o Primeiro Campeonato Internacional de Automobilismo, do qual participaram cinco pilotos de quatro países. O automóvel vencedor foi um Panhard francês, que manteve a velocidade média de 62 quilômetros por hora.

Durante a corrida Paris-Madri de 1903, houve vítimas tanto entre os participantes quanto entre o público, o que levou os governos europeus a proibir qualquer manifestação de velocidade em estrada pública. Surgiram, portanto, os primeiros circuitos de automobilismo. O esporte foi transferido da estrada para a pista, em busca de maior velocidade e de potência máxima em determinadas condições.

Letícia Yazbek


Leia Mais:

Receba em Casa

Vídeos

Mais Lidas

  1. 1 Crianças que nasceram como resultado do horrível programa Há 82 anos, nazistas começavam seu repugnante programa de ...
  2. 2 Os quatro milênios da Babilônia
  3. 3 Uma tempestade chamada Pagu
  4. 4 Inquisição: A fé e fogo
  5. 5 Marginália: As alucinadas ilustrações dos livros medievais