Notícias » Reino Unido

Primeiro prefeito não binário é eleito em cidade no País de Gales

Aos 23 anos, Owen Hurcum não se identifica nem como homem, nem como mulher e é o político mais jovem a assumir o cargo

Pamela Malva Publicado em 24/05/2021, às 10h00 - Atualizado às 10h36

Fotografia de Owen Hurcum
Fotografia de Owen Hurcum - Getty Images

Pela primeira vez na história do País de Gales, um jovem que não se identifica como homem, nem como mulher, foi eleito para o cargo de prefeito de Bangor. E, como se tal conquista já não fosse o suficiente, Owen Hurcum ainda tornou-se o prefeito mais jovem da história do Reino Unido, ao conquistar a posição com apenas 23 anos.

Cursando mestrado em arqueologia na Universidade de Bangor, Owené abertamente não binário, um grupo considerado como minoria na comunidade LGBT. Dessa forma, ele não se identifica com nenhum gênero do espectro entre o feminino e o masculino.

Segundo o G1, tudo começou quando Owen se mudou para Bangor a fim de completar sua carreira acadêmica. "Quando me mudei para cá, me apaixonei imediatamente e soube que nunca iria embora", narrou o jovem prefeito ao jornal galês "The National".

"Eu estava fechado, infeliz, confuso... E foi a comunidade de Bangor que me permitiu celebrar não apenas minha sexualidade", afirmou Hurcum. "Me deu a oportunidade e a capacidade de eu realmente florescer. Bangor significa tudo para mim.”

O problema é que muitos não apreciaram a conquista de Owen, mesmo que ele não seja o primeiro político a assumir a bandeira. Segundo a Vice, o primeiro prefeito não binário da história foi Tony Briffa, eleito em Hobsons Bay, na Austrália, entre 2010 e 2012.

Em entrevista à agência Reuters, Owen revelou que já recebeu diversos comentários de ódio nas redes sociais, além de ameaças de morte. "Eu li tantos que estou praticamente insensível”, lamentou. Ainda assim, o novo prefeito faz questão de encaminhar todas as ameaças para a polícia. "Eu não deixo pra lá."

Com a eleição, Owen passou a enxergar seu novo cargo como "uma representatividade que muitas vezes não existe para pessoas não-binárias". Sendo assim, ele espera mudar a percepção das pessoas em torno do assunto. Afinal, "tem sido o povo de Bangor que me deixou ser eu mesmo" e ele deseja retribuir o carinho.