Notícias » Brasil

Procon proíbe venda de ossos para população em Santa Catarina

O órgão de defesa do consumidor orientou que sobras de carne fossem doadas, e não vendidas, que foi a atitude tomada por alguns açougues da capital catarinense

Ingredi Brunato, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 07/10/2021, às 17h23

Imagem meramente ilustrativa de açougueiro separando carne dos ossos
Imagem meramente ilustrativa de açougueiro separando carne dos ossos - Divulgação/ Pixabay/ Jai79

Em Santa Catarina, o Procon (Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor) advertiu os supermercados e açougues a não cobrarem por ossos com restos de carne, recomendando que, em vez disso, essas sobras de alimento sejam doadas para quem precisa. 

O comunicado, que foi feito na última quarta-feira, 6, veio em reação ao fato que o órgão governamental descobriu estabelecimentos na cidade de Florianópolis que estavam vendendo o quilo de osso por 4 reais. O ato foi considerado uma violação do Código de Defesa do Consumidor. 

"No momento de crise que estamos vivendo, é até desumano que (alguns) estabelecimentos estejam cobrando por ossos", comentou Tiago Silva, o diretor da instituição, segundo repercutido pelo UOL. 

A escalada de preços enfrentada pelo Brasil, em conjunção com o desemprego que hoje afeta 14 milhões, infelizmente colocou muitas famílias em situação de insegurança alimentar.

A carne de boi, em particular, teve uma alta inflacionária de 30,5% na capital catarinense no último ano. O número é ligeiramente mais baixo que a média do país, que alcançou um aumento de 30,7%. 

Assim, os ossos que eram antes descartados tornaram-se uma opção para alguns setores da população. Isso pois eles ainda trazem alguns restos de carne grudados, que podem ser usados para complementar o prato de comida.