Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Ataque em escola

Professora que morreu em atentado tem corpo velado em São Paulo

Elisabete Terneiro, de 71, sofreu uma parada cardíaca após ataque com faca de estudante na Escola Thomazia Montoro, no bairro da Vila Sônia (São Paulo)

Fabio Previdelli

por Fabio Previdelli

fprevidelli_colab@caras.com.br

Publicado em 28/03/2023, às 10h00 - Atualizado às 19h42

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Elisabete Tenreiro, professora de 71 anos (esq.) e fachada da Escola Estadual Thomazia Montoro, em São Paulo (dir.) - Arquivo Pessoal/Reprodução/GoogleStreetView
Elisabete Tenreiro, professora de 71 anos (esq.) e fachada da Escola Estadual Thomazia Montoro, em São Paulo (dir.) - Arquivo Pessoal/Reprodução/GoogleStreetView

Na manhã desta terça-feira, 28, o corpo da professora Elisabete Terneiro, de 71, será velado no Cemitério do Araçá, que fica localizado na Zona Oeste da capital paulista. A docente sofreu uma parada cardíaca após ser vítima de um atentado na Escola Thomazia Montoro, no bairro da Vila Sônia

O sepultamento está marcado para acontecer ao meio-dia, informou o G1. A cerimônia será aberta somente para amigos e familiares da docente — que era querida por alunos de outras escolas por onde atuou

O ataque

Na última segunda-feira, 27, a professora de ciências Elisabete Tenreiro, 71, morreu após sofrer uma para cardíaca depois de ser atacada por um aluno dentro da sala de aula da Escola Estadual Thomazia Montoro, na Vila Sônia, em São Paulo.

Professora de Ciências, Elisabete havia começado a lecionar na unidade desde o início do ano. A docente faleceu enquanto recebia tratamento Hospital Universitário, da USP.

Conforme repercutido pela equipe do site do Aventuras na História, Elisabete se aposentou ainda em 2020, mas continuava dando aulas de ciência. Segundo uma de suas filhas, ela tinha a educação como um propósito de vida

Ela era uma pessoa dedicada a lecionar, como propósito de vida. Ela achava que ela tinha essa missão, em um país com tanta falta de educação, se ela pudesse mudar a trajetória de um aluno, ela já ganhava com isso. Ela era muito querida por onde ela passou".