Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Crimes

R. Kelly é colocado em vigilância para evitar suicídio na prisão

“Rei do R&B" foi condenado a 30 anos de prisão por tráfico sexual e extorsão

Redação Publicado em 05/07/2022, às 14h46

O músico R. Kelly - Getty Images
O músico R. Kelly - Getty Images

Em setembro de 2021, o cantor e compositor R. Kelly, chamado de "o Rei do R&B", foi considerado culpado por tráfico sexual e extorsão. Com isso, acabou sendo sentenciado a 30 anos de prisão por conta de seus crimes, que incluíam menores de idade como vítimas

No último sábado, 2, R. Kelly, que já cumpre pena, foi colocado sob vigilância pelo Metropolitan Detention Center, no Brookyn, em Nova York, para evitar que ele cometesse suicídio

De acordo com o The Hollywood Reporter, a Procuradoria dos Estados Unidos apresentou documentos judiciais explicando que o músico foi trocado de cela “para sua própria segurança”, o que se deu após uma avaliação psicológica. 

As circunstâncias atuais da vida de Kelly, sem dúvida, trazem sofrimento emocional. Ele é um criminoso sexual condenado que foi sentenciado a passar as próximas três décadas na prisão. No futuro imediato, ainda enfrentará outro julgamento federal por acusações relacionadas à pornografia infantil”, declarou Melanie Speight, procuradora do caso. 

Críticas da defesa

A equipe jurídica de R. Kelly, porém, contestou a decisão, embora a prática de vigilância seja considerada padrão em casos dessa natureza. Sua defesa alegou que o compositor sofreu um tratamento cruel e incomum, estabelecido “apenas para fins punitivos e por causa de seu status de preso de alto nível”.

Nada ocorreu durante a sentença que foi uma surpresa para o Sr. Kelly", declarou a advogada Jennifer Bonjean.

“Embora as condições de vigilância do suicídio possam ser apropriadas para indivíduos que estão realmente em risco de se machucar, elas são cruéis e inconstitucionais sob a Oitava Emenda para indivíduos que não são suicidas", completou.