Notícias » Arqueologia

Rara escultura romana de madeira é encontrada no Reino Unido

A figura esculpida, descoberta na maior escavação arqueológica da região, foi considerada um ‘um achado fantástico’

Isabela Barreiros Publicado em 13/01/2022, às 09h46

A figura de madeira romana encontrada na escavação
A figura de madeira romana encontrada na escavação - Divulgação/HS2

Pesquisadores britânicos desenterraram uma escultura de madeira esculpida considerada extremamente rara que data do início da era romana no sítio arqueológico que segue a rota ferroviária HS2 em Buckinghamshire, considerado o maior do Reino Unido.

A figura possui 67 centímetros de altura e foi desenvolvida a partir de uma única peça de maneira. Ela também está vestindo uma túnica que vai até a altura dos joelhos e pode estar usando um chapéu ou estar de cabelos penteados.

Para os especialistas responsáveis pela análise do achado, a estátua conta com uma preservação “incrível” levando em consideração sua idade e o fato de que ela é feita com material orgânico, o que facilita a degradação.

Detalhes da escultura de madeira romana / Crédito: Divulgação/HS2

 

“Esta é uma descoberta verdadeiramente notável que nos coloca frente a frente com nosso passado”, afirmou disse Jim Williams, consultor científico sênior da Historic England. “A qualidade da escultura é requintada e a figura é ainda mais emocionante porque os objetos orgânicos desse período raramente sobrevivem”, acrescentou.

Acredita-se que a estatueta tenha sido preservada em decorrência da falta de oxigênio na vala na qual ela foi encontrada, em um campo próximo de Twyford, o que evitou o apodrecimento ao longo dos séculos, como ressaltou o jornal The Guardian.

Para Mike Pitts, editor da British Archaeology, trata-se de “um achado fantástico”. “É muito raro encontrar madeira entalhada romana na Grã-Bretanha. Mesmo em seu estado fraturado e desgastado, tem algo na pose da figura e no vestido que diz que provavelmente é romano”.

Os pesquisadores destacam que a descoberta deverá passar por uma análise científica e será conservada pela York Archaeology. A datação será feita a partir do exame por radiocarbono em um fragmento quebrado do objeto, que foi encontrado na vala.