Notícias » Arqueologia

Reconstrução facial revela passado de homem morto há 8 mil anos

O curioso crânio foi encontrado fincado por uma estaca de madeira

Caio Tortamano Publicado em 27/06/2020, às 12h18

Reconstrução facial de homem de 8 mil anos atrás
Reconstrução facial de homem de 8 mil anos atrás - Divulgação - Oscar Nilsson

Em 2009, um grupo de arqueólogos realizavam escavações no leito pré-histórico de um lago já seco na Suécia, quando se depararam com um conjunto de crânios de 8 mil anos. Agora, um destes restos teve o seu passado reconstruído pelo artista forense Oscar Nilsson.

A chamada Tumba dos Crânios Afundados foi encontrada no lago Vättern, ao sul da Escandinávia, por acaso, durante uma obra para construção de ferrovias. Onze fragmentos de mulheres, homens e crianças foram identificados, e dois crânios estavam perfurados com uma estaca de madeira, em uma espécie de ritual.

Através de um desses crânios, que estava quase intacto apesar do impacto da estaca, foi possível recriar o rosto e busto do homem. Ele tinha olhos claros, cabelo castanho e uma pele branca por volta de seus cinquenta anos quando faleceu. Além do rosto, foram lhe dadas roupas a partir de restos da fauna encontrados no local de sepultamento, como a pele de um javali, e um nome, Ludvig.

De acordo com  Fredrik Hallgren, líder da escavação, os crânios ainda são os únicos exemplares do período Mesolítico. O pesquisador ainda explicou que a maioria dos indícios dessa prática (de empalar seus crânios) pertence ao período histórico, no qual representantes coloniais colocavam a cavidade de nativos assassinados em estacas de madeira.