Notícias » Bélgica

Rei Philippe pede desculpas pelo passado colonial belga no Congo

Líder da Bélgica desde 2013, o monarca lamentou as atrocidades cometidas no país africano durante o regime de Leopoldo II

Pamela Malva Publicado em 30/06/2020, às 15h00

Fotografia de Philippe, o Rei da Bélgica
Fotografia de Philippe, o Rei da Bélgica - Wikimedia Commons

Pela primeira vez na história política da Bélgica, o rei do país lamentou a crueldade e truculência usadas pelo regime colonial belga no Congo. As desculpas foram enviadas ao presidente da República Democrática do Congo, Félix Tshisekedi, nesta terça-feira, 30.

“Gostaria de expressar meus mais profundos pesares por essas feridas do passado”, escreveu o Rei Philippe. Na carta, o monarca também comentou o momento atual, no qual a “dor é reacendida pela discriminação ainda presente nas nossas sociedades".

Em meados de 1880, Leopoldo II tomou posse do Congo e transformou o Estado Livre do Congo em uma propriedade particular. Assim, por 30 anos, políticas de trabalho forçado foram instaurados no país, a fim de aproveitar o marfim e a borracha da nação.

Jovem do congo com mão amputada, ao lado de oficial belga / Crédito: Wikimedia Commons

 

Em referência à esse passado, o Rei Philippe afirmou que, durante a administração de Leopoldo II, “foram cometidos atos de violência e crueldade, que ainda pesam na nossa memória coletiva”. Sobre o período que se seguiu, entre 1908 a 1960, o monarca escreveu que a colônia belga no Congo também “causou sofrimento e humilhação".

A fim de mudar o rumo da história e em homenagem às vítimas dos regimes, Philippe ainda afirmou que irá "combater todas as formas de racismo". Por fim, o monarca escreveu: "Encorajo a reflexão iniciada pelo nosso parlamento para que a nossa memória seja definitivamente pacificada”.