Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Arte

Reino Unido inicia acordo com Grécia para devolução de esculturas à Paternon

Grécia exige restituição há décadas e Reino Unido abre negociações para devolução parcial

Luisa Alves, sob supervisão de Wallacy Ferrari Publicado em 16/06/2022, às 18h32

Escultura de Paternon - Divulgação/Youtube/The British Museum
Escultura de Paternon - Divulgação/Youtube/The British Museum

O presidente do British Museum de Londres, George Osborne, revelou estar aberto à uma negociação para a devolução parcial de peças e esculturas de mármore do Paternon e da Acrópole de Atenas à Grécia. O país exige a restituição ao Reino Unido há décadas.

A Grécia solicita a devolução das peças e esculturas que hoje se encontram no British Museum, desde o início do século XX. Sob o argumento de que as pessoas foram adquiridas legalmente em 1802, compradas pelo diplomata inglês Lord Elgin, o Reino Unido não havia atendido ao pedido até então.

Deacordo com o jornal 'The Guardian', em março desse ano, o assunto voltou a ser discutido depois que o museu britânico foi processado por impedir que as peças fossem impressas em 3D. O Instituto de Arqueologia Digital de Oxford tinha como objetivo ampliar o acesso ao material e resolver a questão entre os países.

O país mediterrâneo deseja a devolução de um friso de 75 metros e de uma uma das cariátides de mármore —  figura feminina que serve de suporte para arquitetura — que sustentava originalmente um pequeno templo da Acrópole de Atenas, alegando que peças foram saqueadas de seu território durante a ocupação otomana. As informações são do portal de notícias G1.

Compartilhamento das peças

Em entrevista à rádio LBC, George Osborne, confirmou estar disposto a resolver a questão e estar aberto a um acordo para compartilhamento das peças.

Acredito que um acordo seja possível para contar a história deles ao mesmo tempo em Atenas e em Londres se discutirmos essa situação sem muitas precondições ou barreiras", disse.  

"Alguma coisa que permita vê-las em todo seu esplendor em Atenas e vê-las como exemplos de outras civilizações em Londres", completou ao ser indagado a respeito da exposição das peças por um tempo em Atenas para depois retornarem à Londres.