Notícias » Entretenimento

Reprisada a partir desta segunda-feira, 12 atores de O Clone já faleceram

A novela será reexibida no "Vale A Pena Ver De Novo", com diversas figuras que já não compõem o quadro da TV Globo

Wallacy Ferrari, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 04/10/2021, às 17h07 - Atualizado em 07/10/2021, às 16h09

Imagem presente na abertura da novela
Imagem presente na abertura da novela - Divulgação / Globo

Sucesso em sua transmissão original entre outubro de 2001 e junho de 2002, a novela O Clone foi anunciada como próxima reprise do bloco Vale A Pena Ver De Novo, passando a recompor o quadro da TV Globo diariamente a partir das 16h40. Contudo, algumas das figuras presentes na produção já faleceram, comovendo espectadores por suas reaparições nas telinhas.

Contudo, algumas das figuras presentes na produção já faleceram, comovendo espectadores por suas reaparições nas telinhas; de acordo com o portal DCI, parte destes atores foram acometidos por problemas decorrentes de câncer; Mara Manzan, intérprete de Odete, teve um câncer de pulmão, falecendo aos 57 anos em 2009.

Perry Salles, que deu vida ao Mustafá, faleceu com a mesma enfermidade. Ator do personagem Severino, João Carlos Barroso faleceu em 2019 após lutar contra o câncer de pâncreas.

Problemas pulmonares também resultaram na perda de grandes atores de O Clone; O veterano Mário Lago morreu logo após a conclusão das filmagens, em 2002, vítima de um enfisema pulmonar.  

Mocinha da Silva, interpretada por Ruth de Souza, faleceu após uma pneumonia em 2019, um ano depois de Beatriz Segall, que fez a cientista Miss Penélope Brown. O mais recente, Sérgio Mamberti, que dá vida ao Dr. Vilela, faleceu em 3 de setembro de 2021 após uma infecção.

Os jovens Caio Junqueira, que fez Pedrinho, e Eduardo Galvão, que deu vida a Alex, faleceram em 2019 e 2020, vítima de um acidente de carro e covid-19, respectivamente.

Quem também nos deixou foi Sebastião Vasconcelos, Guilherme Karam e Eloísa Mafalda. Sebastião faleceu de parada cardiorrespiratória, enquanto Guilherme sofreu com uma doença degenerativa.

Já a querida Eloísa faleceu de insuficiência respiratória.