Notícias » Paleontologia

Restos de dinossauro de 115 milhões de anos são descobertos em ilha na Inglaterra

De acordo com especialistas, o animal é de uma nova espécie e seria um ‘primo’ do Tiranossauro Rex

Penélope Coelho Publicado em 12/08/2020, às 09h54

Imagem criada para representar o possível momento final do Vectaerovenator inopinatus
Imagem criada para representar o possível momento final do Vectaerovenator inopinatus - Divulgação / Trudie Wilson

Um grupo de paleontólogos da Universidade de Southampton, na Inglaterra, acredita que quatro ossos de dinossauro recentemente encontrados na ilha britânica de Wight, pertencem a uma espécie que era desconhecida até então. As informações são do site Phys.org.

De acordo com a publicação, os ossos pertenciam a um dinossauro da subordem theropoda, um grupo que inclui o famoso Tiranossauro Rex e até pássaros modernos. Segundo os especialistas, o animal nomeado de Vectaerovenator inopinatus viveu há cerca de 115 milhões de anos no período Cretáceo. Estima-se que o dinossauro medisse até quatro metros de comprimento.

O nome escolhido refere-se aos grandes espaços encontrados em alguns dos ossos do animal, essas características ajudaram os pesquisadores a identificarem as origens do Vectaerovenator. De acordo com os paleontólogos, esses espaços de ar também são encontrados em pássaros modernos, e provavelmente ajudavam o dinossauro a ter um esqueleto mais leve.

Os quatro ossos foram encontrados na Ilha de Wight / Crédito: Universidade de Southampton

 

A Ilha de Wight — local onde o fóssil foi encontrado — é conhecida por ser uma região repleta de restos de dinossauros, após a descoberta, os ossos serão levados para exibição no Dinosaur Isle, um museu de dinossauros localizado em Sandown, na Ilha de Wight.

Contudo, os especialistas pretendem continuar investigando mais sobre o Vectaerovenator inopinatus, como afirmou o pesquisador Chris Barker: “Embora tenhamos material suficiente para ser capaz de determinar o tipo geral de dinossauro, gostaríamos de encontrar mais para refinar nossa análise”.