Notícias » Arqueologia

Restos mortais de um cavalo de mais de 2 mil anos são encontrados no Irã

Arqueólogos responsáveis pela descoberta acreditam que o animal tenha sido enterrado juntamente com seu dono em uma grande tumba

Alana Sousa Publicado em 07/07/2020, às 14h30

Os restos mortais do antigo cavalo
Os restos mortais do antigo cavalo - Divulgação/Alireza Jafari-Zand

De acordo com o portal Teerã Times, uma equipe arqueológica liderada por Alireza Jafari-Zand encontrou um enterro de cavalo datado entre 247 a.C e 224. A descoberta foi feita em Tepe Ashraf, o único sítio arqueológico de Isfahan, que fica no centro do Irã.

“O enterro deste cavalo, com a cabeça voltada para o corpo do animal, mostra um enterro oficial praticado durante os primeiros anos do Império Parta. Nesse tipo de enterro, o corpo do animal foi enterrado ao lado de seu dono, que havia morrido”, relatou Ashraf.

Os restos mortais do animal promete trazer à tona detalhes da vida na antiga Isfahan. No local já foram desenterrados outros artefatos, como jarros e potes. Ficando atrás apenas de Tepe Sialk, região que é repleta de relíquias históricas.

Desde 2010 escavações estão sendo realizadas em Isfahan, até agora foram encontrados uma grande tumba — na qual o cavalo estava enterrado — e ruínas de um castelo da dinastia Buyid (945-1055). “Isfahan é uma cidade que nunca morreu ao longo da história... e o velho Isfahan está abaixo da cidade moderna”, afirmou a Alireza ao comentar sobre a importância da cidade.

Durante os séculos 16 e 17, o lugar fora um importante centro de comércio internacional e da diplomacia, e hoje se consolida como um dos principais pontos de turismo no país.