Notícias » Inglaterra

Ricardo III mandou matar os sobrinhos para assumir o trono, confirma novo estudo

Antes o acontecimento era encarado como um rumor, todavia uma pesquisa recente revisitou a história

Ingredi Brunato, sob supervisão de Alana Sousa Publicado em 14/02/2021, às 08h00

Pintura representando Ricardo III
Pintura representando Ricardo III - Wikimedia Commons

Na última quinta-feira, 11, o Live Science repercutiu um estudo que comprova, de uma vez por todas, quem matou os “príncipes da Torre” na Inglaterra de 500 anos atrás: o rei Ricardo III

Isso porque, após a morte do rei Eduardo IV em batalha, a única coisa que estava entre Ricardo e o trono eram seus dois sobrinhos. Detentor do título temporário de “Lorde Protetor dos Herdeiros de Eduardo”, ele teve uma boa desculpa para prender os meninos em uma Torre, afirmando que era para mantê-los seguros. 

Quando os dois pararam serem vistos públicos, todavia, o reino temeu o pior: que eles haviam sido assassinados pelo tio. A morte dos príncipes foi posteriormente tornada pública, fazendo com que Ricardo assumisse a coroa em 1483. 

Até então, entretanto, o acontecimento não podia ser confirmado, sendo considerado mais uma especulação que qualquer outra coisa. Porém, o professor e historiador Tim Thornton foi capaz de encontrar um documento que colocou um ponto final na questão. 

Ele localizou uma fonte confiável para a informação, um nobre chamado Sir Thomas More, que escreveu o livro “História do rei Ricardo III” no século 16. Segundo More, o futuro rei mandou seu cavalariço John Dighton e um dos guardas da Torre, chamado Miles Forest, para ir realizar o serviço sujo. Os dois assassinos sufocaram então os meninos durante seu sono. 

O motivo pelo qual More podia contar essa história era porque ele frequentava o mesmo círculo social dos filhos de Forest, sendo ambos do grupo de favoritos do rei Henrique VIII. “Sir Thomas teve acesso direto aos filhos de um homem que estava na Torre com os príncipes em 1483 e que ele diz ser o principal assassino", concluiu o professor ao Live Science.