Notícias » Escócia

Sarcófago egípcio revela pinturas de 3 mil anos

A descoberta foi feita durante o trabalho de conservação de Ta-Kr-Hb, que os pesquisadores acreditam ser uma sacerdotisa ou princesa de Tebas

Paola Churchill Publicado em 06/04/2020, às 12h40

Imagem da deusa egípcia Amentet
Imagem da deusa egípcia Amentet - Wikimedia Commons

Durante pesquisas, historiadores escoceses descobriram que dentro da tumba de Ta-Kr-hb – que se pronuncia Takerheb – de mais de três mil anos, existiam figuras de uma deusa egípcia na parte interna e externa do artefato histórico.

Imagem de Amentet dentro da tumba/Crédito: Divulgação 

 

A múmia, que acredita-se ser uma sacerdotisa ou princesa de Tebas, estava em péssimo estado de conservação depois de ser sido roubado por ladrões de túmulos ao logo da história. Tanto que, essa foi a primeira vez em um século que não retiravam a múmia de seu jazido.

As pesquisas realizadas nos desenhos indicam que eles foram feitos entre 760 e 525 a.C. e descrevem imagens de Amentet, famosa deusa egípcia, de perfil com um vestido vermelho típico da época. Seus braços estão levantados e ela está em pé sob uma plataforma.

Imagem da parte externa do sarcófago de Ta-Kr-Hb/Crédito: Divulgação 

 

A múmia foi doada ao Museu de Perth em 1936; em 2013, Ta-Kr-Hb foi transferida para o Manchester Royal Children’s Hospital para passar por reparos que pudessem salvar o que restou da múmia. A preservação da sarcedotisa é um processo delicado que requer todo cuidado antes de ela voltar para o museu. Exames realizados no local revelaram que o esqueleto havia sofrido danos extensos no peito e na pelve, pouco após ser mumificado, enquanto o crânio permaneceu intacto.