Notícias » Arqueologia

Amazona perdida: Segredo de múmia de quase 3 mil anos é revelado

Os restos mortais foram encontrados em 1988, mas só agora os pesquisadores descobriram um fator importante que pode reescrever os mitos da história

Fabio Previdelli Publicado em 16/06/2020, às 13h00

Foto da múmia e a representação dos restos quando foram encontrados
Foto da múmia e a representação dos restos quando foram encontrados - Divulgação/ Vladimir Semyonov

Em 1988, Marina Kilunovskaya e Vladimir Semyonov encontraram o túmulo do jovem guerreiro parcialmente mumificado na região de Saryg-Bulun, onde hoje fica a República de Tuva, na Sibéria, durante uma escavação de emergência.

Os arqueólogos acharam os restos do guerreiro pré-púbere tão bem preservados que foi possível identificar uma 'verruga' em seu rosto. Além do mais, o corpo apresentava uma costura áspera na pele na área do abdômen, implicando uma tentativa de mumificação artificial. Mas não foram encontrados vestígios de trepanação, o que era comum entre esses enterros.

Arco e flechas que estavam juntas do enterro da garota / Crédito: Divulgação/ Vladimir Semyonov

 

A múmia teve uma idade estimada entre 12 e 13 anos, e isso era tudo o que se sabia até então. Porém, com o avanço de novas tecnologias, o corpo foi reexaminado e um ponto crucial da pesquisa foi corrigido: os restos mortais pertenceram a uma garota.

"Recentemente, tivemos a chance de realizar testes para determinar o sexo, idade e afiliação genética do guerreiro enterrado", disse Kilunovskaya. "Assim, concordamos com prazer ao dizer que obtivemos um resultado tão impressionante”.

"O enterro da criança com armas introduz um novo toque na estrutura social da sociedade nômade primitiva", explica. “Essa discrepância nas normas do ritual funerário recebeu uma explicação inesperada: primeiro, o jovem acabou sendo uma menina, e essa jovem ‘Amazona' ainda não tinha 14 anos”.

Detalhe da ponta de uma flecha e os machados que a guerreira usava / Crédito: Divulgação/ Vladimir Semyonov

 

O corpo da criança foi enterrado junto com um conjunto de armas, que incluía um machado, um arco de um metro de bétula e uma aljava com dez flechas de 70 centímetros de comprimento — que eram feitas de madeira, uma com ponta de osso e as restantes eram de bronze.  

Fora isso, não foi encontrado nenhum artefato feito de miçangas ou um espelhou ou qualquer outra coisa que indicasse que o túmulo era de uma menina. "Isso abre um novo aspecto no estudo da história da sociedade e, involuntariamente, nos devolve ao mito das Amazonas que sobreviveram graças a Heródoto”, celebra a pesquisadora.

Pedaços de roupa encontrados com os restos / Crédito: Divulgação/ Vladimir Semyonov

 

Agora, sabe-se que a guerreira Amazona morreu entre o final do século 7 e início do século 6 a.C, há aproximadamente 2.600 anos. A profundidade de seu caixão — escavada em um único pedaço de madeira — estava pouco mais de meio metro abaixo do solo, orientada para o sudoeste.


+Saiba mais sobre arqueologia por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Arqueologia, de Pedro Paulo Funari (2003) - https://amzn.to/36N44tI

Uma breve história da arqueologia, de Brian Fagan (2019) - https://amzn.to/2GHGaWg

Descobrindo a arqueologia: o que os mortos podem nos contar sobre a vida?, de Alecsandra Fernandes (2014) - https://amzn.to/36QkWjD

Manual de Arqueologia Pré-histórica, de Nuno Ferreira Bicho (2011) - https://amzn.to/2S58oPL

História do Pensamento Arqueológico, de Bruce G. Trigger (2011) - https://amzn.to/34tKEeb

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W