Notícias » Crimes

Segundo jornal, suspeito de assassinar Marielle teria cometido outros quatro homicídios

O sargento reformado da Polícia Militar Ronnie Lessa é suspeito de estar envolvido em outras mortes

Isabela Barreiros, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 20/07/2021, às 11h26

A deputada Marielle Franco
A deputada Marielle Franco - Mídia Ninja via Wikimedia Commons

O jornal O Globo relatou ontem, 19, que o principal suspeito de ter assassinado a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes no dia 14 de março de 2018 no Rio de Janeiro pode estar relacionado a outros quatro homicídios.

Como repercutiu o UOL, Ronnie Lessa, sargento reformado da Polícia Militar, está sendo investigado por uma Força-Tarefa do MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) criada em março especificamente para esse caso.

Segundo as investigações, existem evidências de que Lessa seja responsável pela morte do ex-deputado estadual Ary Brum, em 18 de dezembro de 2007; de Alexandre Farias Pereira, ex-presidente da associação do Camelódromo da Rua Uruguaiana, em 18 de maio de 2007; e ainda dos irmãos Ary e Humberto Barbosa Martins, em 6 de novembro de 2006.

Os inquéritos que investigam os assassinatos estavam encerrados até então, mas serão reabertos para que novas considerações sejam feitas. 

De acordo com o jornal, o assassinato de Pereira teria sido motivado por uma briga para controle do Camelódromo e dos negócios ilícitos que acontecem no local, possivelmente ligada a Djacir Alves de Lima, que teria assumido o controle do estabelecimento com a morte do então presidente.

Pouco tempo antes do assassinato de Ary Brum, Lessa procurou o CPF do deputado. Ele também buscou os nomes de Ary Barbosa e sua esposa quase dois meses antes da morte dos dois.