Notícias » Brasil

Segundo líder Yanomami, garimpeiros estariam sendo vacinados contra a Covid-19 em troca de ouro

Servidores do Ministério da Saúde que atuam em Roraima estariam desviando imunizantes destinados aos indígenas

Giovanna Gomes, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 14/04/2021, às 09h46

Garimpeiros estariam sendo vacinados
Garimpeiros estariam sendo vacinados - Getty Images

Um documento divulgado pela Hutukura Associação Yanomami nesta terça-feira, 13, denunciou um possível esquema de desvio de vacinas envolvendo servidores da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai).

Assinado pelo vice-presidente da associação, Dário Kopenawa, o documento indica que ao menos duas pessoas seriam responsáveis pelo crime, conforme noticiou o G1.

Kopenawa afirmou em uma denúncia à Sesai e ao Ministério Público Federal (MPF) realizada no último dia 8 que uma técnica em enfermagem, que trabalhava no polo base Humuxi, estaria praticando o desvio não apenas de imunizantes, mas também de gasolina e também de um gerador de energia para os garimpeiros em troca de ouro.

Já a outra suspeita é uma servidora que atua na região do Uxiu. O vice-diretor da organização indígena afirmou ainda que o caso foi relatado por uma liderança indígena.

A denúncia 

“Essas informações são verdadeiras, passadas pelas lideranças desses locais. Nessas regiões é bem comum a troca de materiais por ouro, como remédios, e infelizmente, às vezes esses profissionais acabam se deixando levar”, disse Kopenawa.

"É comum a queixa por parte dos Yanomami de que o materiais e medicamentos destinados à saúde indígena estão sendo desviados para atendimento aos garimpeiros," diz um trecho do ofício encaminhado ao MPF e à Sesai. 

O documento também relembra que já havia queixas do declínio no estado de saúde da comunidade. 

"Em julho de 2020, já havia sido encaminhado aos órgãos aqui endereçados o depoimento de uma Yanomami da comunidade de Kayanau queixando-se da piora no estado da saúde em sua comunidade e mencionando o desvio de medicamentos por um funcionário do DSEI-Y que atendia no polo base local," prossegue o documento.