Notícias » Arqueologia

Sepultura em capela finlandesa do século 18 revela detalhe mórbido sobre mulher grávida

Charlotta Bjornram tinha apenas 24 anos quando veio à óbito; em seu ventre, um feto ainda em desenvolvimento chocou os pesquisadores

Alana Sousa Publicado em 19/07/2021, às 15h00

Imagem da câmara funerária encontrada em capela finlandesa
Imagem da câmara funerária encontrada em capela finlandesa - Divulgação/Tiina Väre

Durante uma expedição em uma capela na região de Vihti, na Finlândia, a arqueóloga Tiina Vare e outros pesquisadores da Universidade de Oulu, encontraram um sepultamento macabro do século 19.

Ao analisar a capela construída no século 18, que abrigou enterros por quase cem anos, de 1785 até 1829, a especialista identificou oito caixões, mas um possível novo esqueleto. Os resultados da pesquisa foram divulgados na International Journal of Osteoarchaeology.

Contendo uma câmara funerária, muitos nobres buscaram a capela para ter seu descanso final, como foi o caso de Charlotta Bjornram que, segundo documentos eclesiásticos, morreu em outubro de 1808, aos 24 anos.

A mulher estava grávida quando veio à óbito, algo que chocou os especialistas que analisaram sua sepultura. Nas cavidades pélvicas de Bjornram havia um crânio de um feto sobressaindo o canal vaginal.

O fenômeno é conhecido como ‘extrusão fetal após a morte’, e ocorre quando uma mulher morre e o feto é “expulso” de seu ventre devido ao processo de decomposição do cadáver.

Segundo os estudiosos, a mulher estava no primeiro trimestre de gestação, e pode ter morrido por algum tipo de infecção, que ainda não está claro para a equipe.

Para os pesquisadores, a extrusão ocorreu alguns dias depois da morte de Charlotta, a razão por trás disso foi os gases que se formaram na cavidade abdominal do corpo sem vida.

Sobre arqueologia

Descobertas arqueológicas milenares sempre impressionam, pois, além de revelar objetos inestimáveis, elas também, de certa forma, nos ensinam sobre como tal sociedade estudada se desenvolveu e se consolidou ao longo da história. 

Sem dúvida nenhuma, uma das que mais chamam a atenção ainda hoje é a dos egípcios antigos. Permeados por crendices em supostas maldições e pela completa admiração em grandes figuras como Cleópatra e Tutancâmon, o Egito gera curiosidade por ser berço de uma das civilizações que foram uma das bases da história humana e, principalmente, pelos diversos achados de pesquisadores e arqueólogos nas últimas décadas.