Notícias » Brasil

Sérgio Reis comenta polêmica sobre áudio divulgado nas redes sociais

Em entrevista a Oswaldo Eustáquio, o cantor se emocionou, defendeu Jair Bolsonaro e voltou a pedir pela manifestação popular

Pamela Malva Publicado em 18/08/2021, às 22h30

Fotografia do cantor Sérgio Reis
Fotografia do cantor Sérgio Reis - Divulgação/Antonio Cruz/Agência Brasil via Wikimedia Commons

No último final de semana, uma declaração do cantor Sérgio Reis circulou nas redes sociais e gerou diversas críticas ao artista. No domingo, 15, então, ele fez questão de comentar o caso durante uma entrevista ao influenciador Oswaldo Eustáquio.

Segundo a Folha, tudo começou quando, no áudio divulgado pela web, Reis anunciou uma suposta greve dos caminhoneiros em setembro, que acabou sendo desmentida pelos trabalhadores. Na ocasião, o cantor afirmava que a paralisação teria o objetivo de exigir que o Senado afaste os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Diante da reação negativa ao discurso de seu marido, então, Ângela Bavini afirmou, em entrevista à coluna Mônica Bergamo, que Reis ficou bastante abalado com a situação. Nesse sentido, a esposa do cantor afirmou que ele acredita ter sido mal interpretado.

Ao falar de Ângela em sua própria entrevista, inclusive, Sérgio emocionou-se, afirmando que a mulher sempre o ajudou com os projetos que ele encabeçava como deputado federal — quando tentava, diz ele, retribuir o carinho que sempre recebeu do povo.

Vocês, as 15 mil pessoas que estão assistindo, estão sabendo o que estamos fazendo. Não pedi que acabasse com nada. Pedi que esses impeachments fossem estudados. Vamos fazer”, explicou o cantor.
Fotografia de Sérgio Reis em entrevista / Crédito: Divulgação/Youtube/RedeTV

 

“Se o povo não for para as ruas no dia 7 de setembro, Brasília não vai fechar, então não vai adiantar nada. O Exército não pode fazer nada, o presidente não pode fazer nada, e nós não podemos fazer nada. Nós estamos fazendo a nossa parte", narrou.

Acontece que, em seu áudio divulgado durante o final de semana, Reis pareceu mais categórico ao afirmar que "se em 30 dias não tirarem os caras nós vamos invadir, quebrar tudo e tirar os caras na marra. Pronto. É assim que vai ser. E a coisa tá séria”.

Durante a recente entrevista, então, o cantor voltou atrás: “Eu nunca agredi ninguém e não quero também. Mas vou pedir que a família vá para a rua”. Em seguida, o artista ainda narrou para Eustáquio que já conversou "francamente" com Jair Bolsonaro e que, na ocasião, achou que o presidente estaria "muito abatido, muito doente".

"Falam que o Bolsonaro é grosso”, pontua Reis, por fim. “Ele fala o que o povo quer falar. O povo não tem como chegar lá e falar. Se fala, às vezes mandam prender.” Agora, segundo o Catraca Livre, Reis, que tem 81 anos de idade, deve responder a um inquérito por pelo menos três crimes relacionados ao caso.