Notícias » América do Sul

Sobrevivente de desastre aéreo da Chapecoense escapa de acidente grave de ônibus

Erwin Tumiri manteve a calma e seguiu os protocolos de segurança

Wallacy Ferrari Publicado em 03/03/2021, às 09h10

Erwin Tumiri em entrevista após acidente
Erwin Tumiri em entrevista após acidente - Divulgação / TV Globo

O técnico de aviação Erwin Tumiri, sobrevivente do acidente aéreo que matou parte da delegação da Chapecoense e profissionais da imprensa, em novembro de 2016, passou por mais um susto.

Ele foi uma das vítimas de um acidente de ônibus no quilômetro 72 da rodovia que liga Cochabamba a Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia.

Segundo o jornal boliviano Los Tiempos, o violento acidente vitimou 21 pessoas fatalmente, deixando outras 30 feridas, entre eles, Erwin, que escapou com ferimentos leves.

As primeiras notícias foram confirmadas pela irmã do sobrevivente: "Ele está estável, graças a Deus. (...) Me sinto feliz pelo meu irmão. Ele está com ferimentos no joelho e arranhões nas costas, está com um corte que vai ser suturado", disse ao jornal boliviano.

Tanto no acidente aéreo quanto no terrestre, Tumiri seguiu protocolos de emergência em situações arriscadas; em 2016, atribuiu sua sobrevivência ao amenizar o impacto da queda colocando uma mala entre as pernas enquanto estava em posição fetal, como noticiou o Globo Esporte. Na ocasião, o técnico foi o primeiro a ter alta entre os sobreviventes.

No acidente terrestre, ele explicou ao Los Tiempos que o veículo estava muito rápido quando ele decidiu ter um suporte seguro; “O ônibus estava rodando, aí eu agarrei o banco da frente, sabia que íamos bater porque íamos em alta velocidade. [...] Eu continuei segurando, não me espalhei até atingirmos o solo. Eu me arrastei para fora, sentei, meu joelho estava machucado, sentei e disse, de novo, não posso acreditar”, afirmou.