Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Holocausto

Sobrevivente do Holocausto pede por recuperação de sapatos de vítimas

Aos 94 anos, Manfred Goldberg clama pela recuperação e preservação de fragmentos de milhares de sapatos deixados no campo de concentração que esteve preso

Prisioneiros almoçando durante construção do campo de concentração de Stutthof - Domínio Público via Wikimedia Commons
Prisioneiros almoçando durante construção do campo de concentração de Stutthof - Domínio Público via Wikimedia Commons

Aos 94 anos, Manfred Goldberg — um dos últimos sobreviventes do campo de concentração nazista de Stutthof, da Polônia — enfrenta mais uma batalha para defender a memória daquele que foi um dos momentos mais sombrios da história da humanidade, o Holocausto. Ele foi preso quando adolescente pelos nazistas.

Segundo o The Guardian, Goldberg recentemente apelou às autoridades polonesas para que recuperassem fragmentos de dezenas de milhares de sapatos descobertos por ele recentemente, pertencentes às vítimas do campo de concentração, em uma floresta na região de Stutthof. Ele recorda que quando adolescente, via ali "montanhas" de sapatos.

Lembro-me dos sapatos. Também me lembro de ter sido informado de que, quando os judeus eram seleccionados para serem gaseados, quando caminhavam para a câmara de gás, tinham de atirar os sapatos para um monte", disse Goldberg ao veículo britânico.

Descoberta

Em 2017, quando Goldberg regressou pela primeira vez ao acampamento, próximo da atual aldeia de Sztutowo, acompanhando Kate Middleton e o príncipe William em uma visita ao museu do campo de concentração, deparou-se com uma cena que o chocou: milhares de sapatos guardados em um armário de vidro, deixados pelas vítimas do Holocausto antes de irem para as câmaras de gás.

Kate Middleton, príncipe William e Manfred Goldberg em 2017 / Crédito: Getty Images

Porém, ele ficou ainda mais perplexo quando, no mês passado, descobriu que aquela coleção era apenas uma fração dos sapatos encontrados na floresta. Para ele, foi "verdadeiramente chocante e desrespeitoso" não terem desenterrado, recuperado e registrado adequadamente os restos.

É desumano. Demonstra total indiferença e desrespeito. Apenas para atirá-los para uma floresta e permitir que a natureza faça o seu trabalho", disse.

Agora, as autoridades polacas foram instadas a descobrirem e recuperarem os sapatos que compunham a montanha que Goldberg viu ser construída durante sua adolescência.

"Se esses sapatos fossem recuperados e tratados para torná-los apresentáveis novamente, para talvez substituí-los exatamente onde foram encontrados no próprio campo de Stutthof, seria uma imagem surpreendente para as pessoas verem", acrescenta.

Príncipe William e Kate Middleton vendo restos de sapatos de dentro do museu / Crédito: Getty Images

Vale mencionar que o campo de Stutthof, construído para perseguir prisioneiros políticos da Polônia, foi durante o Holocausto o principal ponto de coleta de reparos de couro para todos os outros campos de concentração, em especial o de Auschwitz. O couro em questão era majoritariamente proveniente dos sapatos dos prisioneiros, que os removiam antes de entrarem nas câmaras de gás.

Por isso peço às pessoas que olhem para esta quantidade de sapatos e considerem que cada par… representa um ser humano que provavelmente, minutos depois de ter os seus sapatos jogados nesta pilha, perdeu a vida numa câmara de gás. [...] Simplesmente não pode ser considerado aceitável ou honroso deixá-los na lama da floresta".