Notícias » Brasil

Solar da Marquesa de Santos: 5 curiosidades sobre a raridade do século 18

O edifício histórico onde morou a amante de Dom Pedro I chama atenção em São Paulo

Wallacy Ferrari Publicado em 30/01/2022, às 09h00 - Atualizado em 01/04/2022, às 09h00

Montagem da Marquesa de Santos ao lado de seu Solar
Montagem da Marquesa de Santos ao lado de seu Solar - Domínio Público / Wikimedia Commons / Dornicke

Domitila de Castro do Canto e Melo, amante de Dom Pedro Iconhecida pelo título nobiliárquico de Marquesa de Santos – mesmo sem nunca ter pisado no município do litoral paulista –, marcou a história da família imperial durante o século 19.

Contudo, um lado menos lembrado é de sua vida na então Rua do Carmo, no famoso 'Solar da Marquesa de Santos', como conhecemos hoje em dia.

O edifício histórico não apenas marcou uma fase de expansão urbana da megalópole paulistana, mas possui uma curiosa história levantada cautelosamente pelo Museu da Cidade, da prefeitura de São Paulo. Com base nele, o site Aventuras na História reservou alguns fatos sobre o surgimento desta residência marcada na história do país.

5 curiosidades sobre o Solar da Marquesa de Santos.

1. Motivo da localização

Na edificação do Centro de São Paulo, os primeiros povoadores estrategicamente posicionaram suas residências ao redor do Páteo do Colégio, a primeira edificação do município, destinada a catequização de povos indígenas na área. Dessa maneira, o terreno ao lado foi ocupado onde hoje existe a Rua Roberto Simonsen, na altura do número 136.


2. Primeiros registros

Apesar de não haver registros precisos sobre a data de construção do Solar, os primeiros dados que apontam a existência do edifício são de documentos do século 18, que indicam que, entre 1739 e 1754, existiam quatro casas naquela rua.

Dada a proximidade ao Páteo, há de se crer que esteve incluído nessa estimativa diante da junção de duas casas. A primeira confirmação surge em 1802, quando ela foi dada como um pagamento de dívidas ao Brigadeiro José Joaquim Pinto de Morais Leme, que documentou seu registro pela primeira vez.


3. Chegada da Marquesa

A Marquesa de Santossó se tornaria dona do local em 1834, após adquirir o imóvel da filha e herdeira de Brigadeiro Leme. Com a nova administradora, o endereço se tornou badalado pela alta sociedade, realizando famosas festas e o apelidando de Palacete do Carmo. Por lá, ela viveu durante 33 anos, até 1867, quando faleceu aos 69 anos de idade.


4. Nas mãos do filho

A morte da Marquesa fez com que seu filho, Comendador Felício Pinto de Mendonça e Castro, herdasse a residência aristocrática, permanecendo por lá durante 13 anos, quando em 1880 o imóvel foi colocado em hasta pública, ou seja, foi vendido como bem penhorado através de um leilão.

Fachada do Solar da Marquesa de Santos / Crédito: Divulgação / Governo do Estado de São Paulo

Quem arrematou a casa foi Mitra Diocesana, que transformou o local no Palácio Episcopal, realizando uma grande reforma que, inclusive, incluiu a principal marca externa da residência, mantida até os dias atuais; as características neoclássicas em sua fachada principal, que é marcada pelas varandas.


5. Tornando público

Em 1909, o último dono privado adquiriu o imóvel. Era a The São Paulo Gaz Company, que realizou curiosas modificações no local e em 1967, a sucessora, a Companhia Paulista de Gás, foi desapropriada, tendo seus imóveis entregues à Prefeitura de São Paulo.

Esta, por sua vez, abrigou a Secretaria Municipal de Cultura em 1975 e incorporou ao patrimônio municipal, restaurando o edifício em 1991 e, hoje em dia, abrigando o Museu da Cidade de São Paulo, que representa uma raridade do século 18. 


+Saiba mais sobre a Marquesa de Santos em grandes obras disponíveis na Amazon:

1. 1813 - 1829: A Marquesa De Santos, de Paulo Setubal (2009) - https://amzn.to/33GVKgJ

2. Domitila: A verdadeira história da marquesa de Santos, de Paulo Rezzutti (2017) - https://amzn.to/37DW2Gm

3. Titília e o Demonão: A história não contada, de Paulo Rezzutti (2019) - https://amzn.to/33JnaCm

4. A carne e o sangue, de Mary del Priore (2012) - https://amzn.to/33GAqHQ

5. Amores proibidos na história do Brasil, de Maurício Oliveira (2012) - https://amzn.to/3g5bMFU

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W