Notícias » Segunda Guerra

Soldado soviético que participou da libertação de Auschwitz morre aos 98 anos

David Dushman “estava bem na linha de frente quando a máquina de assassinato dos nacional-socialistas foi destruída”

Isabela Barreiros, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 07/06/2021, às 15h01

O ex-soldado David Dushman em entrevista
O ex-soldado David Dushman em entrevista - Divulgação/Youtube/Jewish News

No último sábado, 5, o ex-soldado David Dushman morreu aos 98 anos em um hospital em Munique, na Alemanha. Ele era o último sobrevivente dos soldados soviéticos que ajudaram na Libertação de Auschwitz, em 27 de janeiro de 1945.

Segundo o New York Post, com informações da Comunidade Judaica de Munique e Alta Baviera, Dushman foi um dos combatentes do Exército Vermelho a entrar no campo de concentração já no final da Segunda Guerra, encontrando apenas sobreviventes gravemente feridos e doentes no local.

'Doloroso'

Charlotte Knobloch, ex-chefe do Conselho Central dos Judeus da Alemanha, afirmou que o ex-combatente  “estava bem na linha de frente quando a máquina de assassinato dos nacional-socialistas foi destruída”.

“Cada testemunha da história que passa é uma perda, mas dizer adeus a David Dushman é particularmente doloroso”, afirmou Knobloch.

Dushman tinha apenas 21 anos quando lutou na Segunda Guerra. Segundo a Enciclopédia do Holocausto, do United States Holocaust Memorial Museus (USHMM), apenas no complexo de Auschwitz cerca de 1 milhão de judeus foram mortos. 

“Eles saíram do quartel aos tropeções, sentaram-se e deitaram-se entre os mortos. Terrível. Jogamos a eles toda a nossa comida enlatada e imediatamente partimos para caçar fascistas. Esqueletos em toda parte”, disse o soviético ao  jornal Sueddeutsche Zeitung de Munique em uma entrevista de 2015.