Notícias Pré-História

Stonehenge alemão apresenta evidências de sacrifício humano

Crânios e ossos quebrados de crianças, jovens e mulheres adultas indicam um ritual violento há 4,3 mil anos

sexta 29 junho, 2018
Reconstrução do sítio arqueológico de Pömmelte
Reconstrução do sítio arqueológico de Pömmelte Foto:State Office for Heritage Management and Archaeology Saxony-Anhalt

Uma recente escavação feita no sítio arqueológico de Ringheiligtum Pömmelte, conhecido como o ″Stonehenge da Alemanha″, revelou novas evidências de que o local seria utilizado para rituais de sacrifício humano. Localizado na cidade de Pömmelte, no leste do país, ele fica a cerca de 136 quilômetros de Berlim.

Os arqueólogos encontraram crânios e ossos quebrados de crianças, jovens e mulheres adultas, enterrados em covas ao lado de machados, vasilhas, ossos de animais e antigos moedores feitos de pedra. Eles acreditam que as vítimas foram jogadas ou empurradas para as covas, e que pelo menos um dos adolescentes tinha as mãos atadas quando isso aconteceu.

Veja mais

Segundo o líder da pesquisa, o arqueólogo André Spatzier, os mortos podem ter sido vítimas de um ataque repentino. Mas as evidências apontam para um ritual de sacrifício humano. “Como nenhum homem adulto foi encontrado enterrado no local, e objetos quebrados, usados em rituais, foram enterrados com os corpos, essa teoria é a mais provável”.

Monumento foi construído por volta de 2300 antes de Cristo Reprodução

Assim como o Stonehenge, na Inglaterra, o Ringheiligtum Pömmelte é um monumento circular sagrado, formado por cercas circulares e sepulturas. Feito de estruturas de madeira, ele foi descoberto em 1991, mas as escavações só tiveram início recentemente.

Os especialistas acreditam que povos antigos construíram o monumento durante a transição do período Neolítico para a Idade do Bronze, por volta de 2300 a.C. A construção teria servido como centro de poder da elite local e utilizada em cerimônias religiosas e rituais de oferenda.

Por volta de 2050 a.C., no fim da principal ocupação humana na região, o monumento teria sido destruído em um ritual. “Parece que eles tiraram os postes de madeira, colocaram oferendas dentro deles e queimaram tudo, enterrando as cinzas em uma vala”, afirma Spatzier.

O local passou por um longo processo de reconstrução e foi aberto ao público em 2016.

Letícia Yazbek


Leia Mais:

Receba em Casa

Vídeos

Mais Lidas

  1. 1 Crianças que nasceram como resultado do horrível programa Há 82 anos, nazistas começavam seu repugnante programa de ...
  2. 2 Os quatro milênios da Babilônia
  3. 3 Uma tempestade chamada Pagu
  4. 4 Inquisição: A fé e fogo
  5. 5 Marginália: As alucinadas ilustrações dos livros medievais