Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Esportes

Super Bowl: Eminem quebra regras e repete gesto antirracista de Kepernick

Rapper se ajoelhou durante apresentação; ato protagonizado, anteriormente, por Colin Kaepernick, se tornou símbolo do movimento BLM

Fabio Previdelli Publicado em 14/02/2022, às 14h06

O ex-quarterback Colin Kaepernick e o rapper Eminem - Getty Images
O ex-quarterback Colin Kaepernick e o rapper Eminem - Getty Images

Durante apresentação do Half-Time Show do Super Bowl, o rapper Eminem desobedeceu uma ordem da National Football League (NFL) e se ajoelhou no meio de seu show. O gesto é visto como um ato antirracista. 

Conforme aponta o portal Puck News, a NFL havia rejeitado o pedido do rapper para reproduzir o gesto durante sua apresentação, que aconteceu durante o tradicional intervalo da partida que teve o Los Angeles Rams e o Cincinnati Bengals como finalistas — a equipe da Califórnia acabou se sagrando campeã.

O ato de Eminem acabou pegando muitos de surpresa, visto que, durante a semana, durante uma entrevista coletiva, o rapper Dr. Dre, que também se apresentou, havia dito que os artistas não se envolveriam em nenhum tipo de polêmica durante o show.

Na ocasião, Dre até mesmo citou o ocorrido com a cantora Janet Jackson, que teve seu mamilo exposto por Justin Timberlake no Super Bowl de 2004, para falar sobre o assunto. Em tom descontraído, segundo aponta o UOL, o cantor afirmou que havia convencido Eminem a não mostrar seu pênis durante a apresentação. 

O gesto eternizado por Kaepernick 

No dia 26 de agosto de 2016, o ex-quarterback Colin Kaepernick se ajoelhou durante a execução do hino nacional americano na partida entre seu time, o San Francisco 49er, e o Green Bay Packers, em um jogo válido pela pré-temporada da NFL.

Na ocasião, Colin protestava contra a violência policial sobre a população negra dos EUA. “Não vou me levantar e mostrar orgulho pela bandeira de um país que oprime o povo negro e as pessoas de cor”.

Embora Colin tenha servido de estopim para a onda de protestos do movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam, em tradução livre), grande parte dos dirigentes e dos torcedores não gostaram do gesto, entendendo que o quarterback havia sido antipatriota e desrespeitado o hino nacional.  

Colin Kaepernick protestando durante partida da NFL/ Crédito: Getty Images

Kaepernick acabou sendo boicotado pela liga e nunca mais jogou uma partida oficial após a polêmica. Em 2016, o atleta encabeçou uma campanha da Nike que apoiava o movimento negro. “Acredite em algo. Mesmo se isso significa sacrificar tudo”, dizia o slogan. Aposentado, Colin Kaepernick se tornou um importante personagem da luta antirracista não só no esporte, mas em todo o país.