Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Vladimir Putin

Suposta amante de Vladimir Putin sofre sanção dos Estados Unidos

A mulher apontada como namorada de Vladimir Putin é ex-ginasta e campeã olímpica

Redação Publicado em 03/08/2022, às 14h05

Ex-ginasta apontada como namorada de Vladimir Putin sofre sanção dos Estados Unidos - Reprodução/Vídeo/FIG Channel e Foto de Peter Muhly na GettyImages
Ex-ginasta apontada como namorada de Vladimir Putin sofre sanção dos Estados Unidos - Reprodução/Vídeo/FIG Channel e Foto de Peter Muhly na GettyImages

Nesta terça-feira, 2, os Estados Unidos anunciaram a "nova lista" de sanções como punição pela Guerra. E um nome tem chamado a atenção, Alina Kabaeva, apontada como namorada do presidenteVladimir Putin. Foram punidas também mais de 20 empresas ligadas à defesa da Rússia na Guerra e três bilionários.

Novos oligarcas, empresas e diplomatas russos foram punidos com sanções dos Estados Unidos. De acordo com o secretário de Estado, Antony Blinken, 893 funcionários do governo de Moscou, mais de 20 empresas russas e três bilionários tem a limitação de vistos para entrar em territórios norte-americanos.

Uma das pessoas que também sofrerá as imposições é a ex-ginasta Alina Kabaeva, apontada como namorada do presidente russo Vladimir Putin. Como informado pelo UOL, milhares de pessoas e centenas de empresas, bancos e instituições ligados ao Kremlin, e que de alguma forma colaboram para invasão à Ucrânia, estão sendo sancionados desde fevereiro.

Ex-ginasta apontada como namorada de Vladimir Putin sofre sanção dos Estados Unidos/Reprodução/Vídeo/Olympics

Motivo para a punição

Alina Kabaeva, 39, é campeã olímpica de ginástica rítima e ex-membro do parlamento russo. Ela também já foi punida pela União Europeia e de acordo com o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos, a nova sanção foi imposta porque Kabaeva "é ou foi uma líder, oficial, conselheiro executivo sênior ou membro de conselho diretor do governo da Rússia".

Ela também foi punida por manter uma "relação próxima a Putin" e por atuar no "Grupo de Mídia Nacional" do país.