Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / EUA

Suprema Corte dos EUA aceita pedido de sentenciado para ser executado por fuzilamento

O americano alega que a injeção letal poderia acarretar um processo mais doloroso, saiba mais

Alan de Oliveira | @baco.deoli sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 24/06/2022, às 09h57

Homem que ganhou na justiça o direito de ser fuzilado - Divulgação/  Georgia Department of Corrections Mugshot
Homem que ganhou na justiça o direito de ser fuzilado - Divulgação/ Georgia Department of Corrections Mugshot

O americano Michael Nance, de 61 anos, foi condenado à morte em 2002 depois que realizou um roubo de banco no estado da Geórgia que resultou no homicídio de um pedestre próximo ao local, ainda em 1993.

Ele fez a solicitação para ser morto através de um fuzilamento para a Suprema Corte dos Estados Unidos, alegando que a tradicional injeção nas veias poderia lhe causar sofrimentos excessivos, devido as más condições de saúde de seu corpo. Em um caso atípico, a corte aceitou o pedido na quinta-feira, 23.

Segundo a apuração do portal ‘UOL’, o sentenciado reforçou a sua solicitação ao mostrar que toma remédios para uma dor crônica nas costas, aumentando as chances do alvo não ficar inconsciente após receber uma anestesia geral.  

Em votação de cinco favoráveis e quatro discordantes, foi concedido o pedido de Michael com base nas leis do estado, que permite qualquer método de execução seja realizado caso haja consenso entre ambas às partes. 

Método não comum

O pelotão de fuzilamento é um método de execução geralmente usado em apenas quatro estados: Carolina do Sul, Mississippi, Oklahoma e Utah, sendo utilizado com maior frequência apenas na Carolina do Sul, diz o Centro de Informações sobre Pena de Morte.

O último caso em que foi pedido o fuzilamento na Geórgia ocorreu em 2017, quando réu J.W. Ledford Jr fez a solicitação, mas foi recusado e recebeu a injeção letal.

Ao todo, são contabilizados por volta de 1200 execuções de fuzilamento por ano nos Estados Unidos, como também afirma o Centro de informações.