Notícias » Afeganistão

Talibã mata familiar de jornalista no Afeganistão

O profissional trabalhava para a emissora alemã Deutsche Welle e é alvo do grupo extremista

Redação Publicado em 20/08/2021, às 07h58

Talibãs em 2002
Talibãs em 2002 - Getty Images

De acordo com informações publicadas nesta sexta-feira, 20, pelo G1, o canal público de televisão alemão Deutsche Welle (DW), anunciou que o grupo extremista Talibã matou a tiros um parente de um jornalista que trabalhava para a emissora no Afeganistão. O profissional atualmente mora na Alemanha. 

Segundo revelado na publicação, o jornalista em questão é procurado pelo grupo. Outro parente do profissional também acabou sendo ferido durante o atentado no Afeganistão, nenhuma das vítimas teve a nacionalidade revelada. A DW informou que os talibãs foram até a residência de pelo menos três jornalistas da emissora.

"O assassinato de um parente de um de nossos editores pelos talibãs ontem [quinta-feira] é incrivelmente trágico e ilustra o grave perigo em que se encontram todos os nossos funcionários e suas famílias no Afeganistão", disse o diretor geral da DW, Peter Limbourg, em comunicado.

Sabe-se que nos últimos dias, desde que o grupo dominou a capital do país, Cabul, diversos jornalistas informaram que foram alvos de espancamento e tiveram as residências invadidas por membros do Talibã.

De acordo com um relatório de inteligência da ONU, o alvo dos extremistas são pessoas que possam ter trabalhado para as forças de segurança dos EUA, da Otan, ou, em entidades internacionais.


Caos no Afeganistão

O caos ocorrido no Afeganistão tem como consequência a retirada das tropas norte-americanas do país, através de um 'acordo de paz' iniciado por Donald Trump em 2020. Após o ato concretizado por Joe Biden, atual presidente dos EUA, o Talibã começou a avançar no país. 

O ato que representou de fato a tomada de poder se deu no último domingo, 15, quando os representantes do grupo extremista tomaram o palácio presidencial, localizado em Cabul. Isso ocorreu após o presidente do país, Ashraf Ghani, deixou o país em decorrência dos últimos acontecimentos. 

Joe Biden informou que não se arrepende de ter retirado as tropas do local. "Eu mantenho com firmeza minha posição", disse o presidente durante pronunciamento exibido pela Casa Branca na última segunda-feira, 16. "Os EUA não podem participar e morrer em uma guerra em que nem o próprio Afeganistão está disposto a lutar", explica Biden