Notícias » Arqueologia

Torre de 119 crânios mantidos como troféus é descoberta perto de templo asteca no México

"É um testemunho importante do poder e da grandeza alcançados por México-Tenochtitlan”, disse a secretária de cultura da Cidade do México

Isabela Barreiros Publicado em 12/12/2020, às 08h38

Torre de crânios asteca
Torre de crânios asteca - Divulgação

Escavações realizadas perto de um templo asteca, próximo da Cidade do México, capital mexicana, revelaram mais de uma centena de crânios unidos em uma espécie de torre. Os pesquisadores acreditam que as cabeças de humanos sacrificados era mantida como um troféu pelos astecas.

Ao menos 119 crânios estavam colocados um em cima do outro, colocados em círculos, sendo mantidos por camadas de argamassa. Percebeu-se também que as cabeças foram dispostas com o olhar para dentro da torre, como se tivesse algo no interior da “escultura”, mas os arqueólogos ainda não descobriram nada.

A torre provavelmente data entre os anos 1486 e 1502 e contém cabeças de mulheres e criança. Para os especialistas, a civilização pré-colombiana considerava esses sacrifícios como um sinal de poder e prestígio. É o que explica Alejandra Frausto, secretária de cultura da Cidade do México: "É um testemunho importante do poder e da grandeza alcançados por México-Tenochtitlan."

A descoberta foi feita em um local que já havia sido anteriormente escavado. A região demonstrou sua importância histórica pelos prédios antigos que revelaram, até agora, um total de 603 crânios. A torre mais recente estava disposta a 3,5 metros abaixo do nível da rua. 

Sobre arqueologia

Descobertas arqueológicas milenares sempre impressionam, pois, além de revelar objetos inestimáveis, elas também, de certa forma, nos ensinam sobre como tal sociedade estudada se desenvolveu e se consolidou ao longo da história. 

Sem dúvida nenhuma, uma das que mais chamam a atenção ainda hoje é a dos egípcios antigos. Permeados por crendices em supostas maldições e pela completa admiração em grandes figuras como Cleópatra e Tutancâmon, o Egito gera curiosidade por ser berço de uma das civilizações que foram uma das bases da história humana e, principalmente, pelos diversos achados de pesquisadores e arqueólogos nas últimas décadas.