Notícias » Estados Unidos

Trump é contra o estrangulamento, mas diz que o considera necessário em alguns casos

Embora tenha dito ser contra o método policial que matou George Floyd, o estadista chamou a prática de "inocente", em entrevista à Fox News

Vanessa Centamori Publicado em 13/06/2020, às 11h00

Donald Trump
Donald Trump - Wikimedia Commons

A técnica policial de imobilizar detidos pelo pescoço, a mesma que matou George Floyd, é necessária em alguns casos, segundo a opinião de Donald Trump, o presidente dos Estados Unidos. No entanto, o líder de estado afirmou à Fox News americana nesta última sexta-feira, 12, que é favor à proibição da prática de "modo geral". 

Trump disse que não gosta de estrangulamentos e que afirmava isso como alguém que pratica wrestling e luta. Porém, ele também se contra-argumentou. "Às vezes, se você está sozinho e brigando com alguém, é difícil. E você coloca alguém em um estrangulamento", disse. "O que você vai fazer? E é uma pessoa muito ruim, e você sabe disso, e elas existem. Quero dizer, temos pessoas muito ruins", disse Trump. 

"Você tem alguém em um estrangulamento, o que você vai fazer? Deixa a pessoa ir e fala: 'vamos começar de novo. Não tenho permissão para tê-lo em um estrangulamento'? É uma situação difícil. Eu acho que seria uma coisa muito boa, de um modo geral, se acabasse", acrescentou o presidente. 

Por outro lado, de modo bastante polêmico, o líder dos EUA comentou sobre o significado de estrangular alguém. "Acho que o conceito de imobilizar pelo pescoço soa tão inocente, tão perfeito", afirmou. 

A discussão sobre o método utilizado pela polícia surgiu logo após o assassinato de George Floyd, um ex-segurança negro, morto no mês passado, durante uma abordagem pelo policial Derek Chauvin, que pressionou o joelho contra o pescoço da vítima.