Notícias » Ásia

Tumba de 1.500 anos que pertenceu a oficial da dinastia Sui é encontrada da China

Além do túmulo, outras seis valas foram encontradas com mais de 67 itens funerários esculpidos a mão

Wallacy Ferrari Publicado em 07/07/2020, às 12h00

A vala principal, no centro do cemitério da dinastia Sui
A vala principal, no centro do cemitério da dinastia Sui - Xinhua

Uma equipe de arqueólogos da província de Shaanxi, no noroeste da China, encontrou um cemitério familiar antigo, de aproximadamente 1.500 anos. Pertencente a um antigo oficial da Dinastia Sui (581-618 d.C.), o local está bem preservado e contém sete túmulos que, juntos, formam uma vala de formato quadrado.

O local mede 147.7 metros de comprimento e 138.5 metros de largura, ocupando uma área de 20 mil metros quadrados. O cemitério encontrado em Xixian, em Xi’na, é o maior pertencente a dinastia Sui já encontrado, de cordo com Li Ming, um dos membros da equipe de pesquisa.

Algumas das estatuetas encontradas na instalação funerária / Crédito: Xinhua

 

A conservação é tão notável que os arqueólogos conseguiram identificar o dono da maior tumba disponível: um oficial de alto escalão chinês, identificado como Wang Shao, que viveu entre 420 e 580 d.C. O homem trabalhou durante o reinado do imperador Wendi, antes da instauração da dinastia.

Além dos túmulos, 67 artefatos funerários foram encontrados apenas na tumba de Wang, que já havia sido alvo de furtos anteriormente. Entre os itens, figuras de guerreiros, criaturas guardiãs e animais esculpidos em argila acrescentam informações sobre as características dos cemitérios familiares no período.