Notícias » Arqueologia

Tumba misteriosa de possível filósofo francês do século 16 ainda intriga arqueólogos

"O mistério permanece", disse arqueóloga participante do estudo

Giovanna de Matteo Publicado em 28/09/2020, às 10h41

Foto de Michel Eyquem de Montaigne, filósofo francês
Foto de Michel Eyquem de Montaigne, filósofo francês - Wikimedia Commons

Em 2019, pesquisadores da França analisaram os restos humanos encontrados em uma tumba que poderiam pertencer a Michel de Montaigne, todavia, ainda serão necessárias mais análises para resolver o mistério.

O Musee d'Aquitaine, na cidade de Bordéus, iniciou em novembro uma pesquisa para examinar os restos mortais do túmulo, encontrado em um porão do museu, que se localiza em instalações de um convento onde o filósofo renascentista foi enterrado.

Helene Reveillas, arqueoantropóloga da região de Bordeaux afirmou que os ossos são de "um único indivíduo. É um adulto e provavelmente homem... Temos elementos que não vão contra a ideia de que se trata de Montaigne. Mas também não temos nada que nos permita afirmar com certeza”.

A abertura da tumba foi feita no ano passado e expôs um caixão de madeira que levava o nome Montaigne em grandes letras marrons. Já o caixão de chumbo foi aberto esta semana, e exibia "um esqueleto bem preservado" e um crânio "com quase todos os dentes", segundo a arqueóloga.

A próxima etapa da pesquisa inclui o uso de datação por carbono 14, que será realizada por cerca de vinte cientistas. Eles estarão particularmente à procura de evidências de pedras nos rins de que o escritor era conhecido por ter sofrido e também rastros de um operação de remoção do coração, que foi removido após sua morte a pedido de sua viúva.

Outras técnicas também serão usadas, entre elas a "reconstrução facial" e pesquisa genealógica de possíveis descendentes, segundo Reveillas.