Notícias » Crimes

Último fundador vivo do PCC morre de Covid-19 em hospital penitenciário

José Márcio Felício, conhecido como Geleião, tinha 60 anos

Fabio Previdelli Publicado em 11/05/2021, às 13h53

Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa - Getty Images

Segundo a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), José Márcio Felício, conhecido como Geleião, um dos fundadores do Primeiro Comando da Capital (PCC), morreu na última segunda-feira, 10, em decorrência de complicações da Covid-19. 

José Marcio, que tinha 60 anos, estava no Centro Hospitalar do Sistema Penitenciário, na cidade de São Paulo. As informações foram confirmadas pelo portal G1. A SAP informou que o óbito ocorreu por volta das 6h30. Geleião estava internado desde o dia 9 de abril. 

Ao veículo, fontes disseram que ele estava preso desde 1979 na Penitenciária Orlando Brando Filinto, na cidade de Iaras, região de Itapetininga. Já na prisão, Geleião foi acusado e condenado de cometer mais crimes, como promover ataques e assassinar agentes das forças de segurança. 

Além disso, de acordo com a reportagem, nos anos 1990, Felício foi responsável não só pela criação do PCC como também chefiou a facção dentro da cadeia por cerca de uma década.

Ao portal de notícias, policiais informaram que ele era o último fundador do PCC que estava vivo — os demais já morreram ou foram assassinados. 

Apesar de seu papel fundamental dentro do Primeiro Comando da Capital, o G1 relembrou que Geleião acabou se tornando um inimigo da facção, já que, em 2002, fez uma série de delações para a polícia.