Notícias » Brasil

Sessão na Câmara de São Paulo é palco de declaração antissemita

Adilson Amadeu (DEM) pronunciou ofensas ao vereador Daniel Annenberg (PSDB) durante votação no legislativo na noite de ontem, 11

Isabela Barreiros Publicado em 12/12/2019, às 16h01

A confusão que envolvia os vereadores Adilson Amadeu e Daniel Annenberg foi transmitida ao vivo pela TV Câmara
A confusão que envolvia os vereadores Adilson Amadeu e Daniel Annenberg foi transmitida ao vivo pela TV Câmara - Divulgação/TV Câmara

O vereador Adilson Amadeu (DEM) proferiu ofensas antissemitas durante uma sessão na Câmara Municipal de São Paulo enquanto ocorria a votação de um pacote de leis na noite de ontem, 11. O político ofendido foi Daniel Annemberg (PSDB), que foi xingado de “judeu filho da puta”.

O caso aconteceu enquanto os vereadores discutiam a PL 419/2018, que tem como intuito regularizar o funcionamento dos aplicativos de transporte de passageiros, como Uber e 99 na capital paulista. O autor da lei é o próprio Amadeu.

“Eram 23h30 e estávamos votando o projeto dele. Votei não. E aí ele começou a me agredir. Primeiro em palavras, depois chegou a quase me agredir fisicamente”, disse Annenberg. Em nota, o vereador responsável pelas ofensas disse “eu tive divergências com o colega parlamentar por conta de um projeto de minha autoria, no qual trabalhei muito o ano todo para ser aprovado”, mas que “no calor da discussão, eu realmente me excedi”.

“Vou entrar na Corregedoria da Câmara contra ele e tomar medidas legais cabíveis. Esse tipo de injúria antissemita… a Câmara é lugar de projetos, propostas, não para agredir fisicamente. Isso é racismo, isso é antissemitismo e eu não vou admitir”, alegou Annenberg.

Com o fim da confusão acalorada na Câmara, o presidente da Casa, Eduardo Tuma (PSDB), suspendeu a votação. A transmissão ao vivo que também estava sendo feita na TV Câmara foi encerrada após a agitação.