Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Brasil

Vídeo: 'Acredito que ele já tenha me perdoado', diz Elize Matsunaga ao celebrar liberdade

A mulher foi liberada após cumprir pena de famoso caso contra o marido

Alan de Oliveira | @baco.deoli, sob supervisão de Isabela Barreiros Publicado em 31/05/2022, às 08h22

Elize e seu advogado em primeiras falas pós-liberdade - Divulgação/Instagram
Elize e seu advogado em primeiras falas pós-liberdade - Divulgação/Instagram

Sentenciada a 20 anos sem liberdade por matar e esquartejar o até então marido, Marcos Matsunaga, a paranaenseElize Matsunaga deixou a prisão na tarde de segunda-feira, 30. Em vídeo gravado pelo seu advogado celebrando o momento, ela diz acreditar que seu marido a perdoou.

“Infelizmente não posso consertar o que se passou, o erro que cometi. Estou tendo uma segunda chance, infelizmente o Marcos não. Mas acredito na espiritualidade, que ele já tenha me perdoado e peço isso nas minhas orações”, falou durante trecho de vídeo.

Em estado de felicidade, Elize desabafa sobre o alívio que é estar fora das grades e  ressalta que ainda não pode dar qualquer tipo de entrevistas para a imprensa.

Perguntada sobre o que deseja para o futuro, ela afirmou ao advogado que fará uma nova faculdade e irá continuar com seus sonhos de ser uma escritora, finalizando o livro que começou a escrever durante o tempo de sua penitenciária, dedicado a sua filha com Marcos. A menina, atualmente com 11 anos, vive sob a guarda dos avós paternos.

Elize luta contra a distância de filha

Recentemente, em suas aparições públicas, ela já indicava que o seu maior desejo é se aproximar da filha. Na época do homicídio, a menina tinha 1 ano e desde então, ela está proibida oficialmente de tentar qualquer aproximação.

Os familiares paternos da menina sempre estão fazendo movimentações judiciais para que Elize seja destituída do poder familiar e tenha o seu nome tirado da certidão de nascimento da filha.

Relembre o caso clicando neste link.