Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Brasil

'Vontade de gritar', diz mãe de Miguel após condenação de ex-patroa

Depois de mais de 2 anos, Sari Corte-Real foi sentenciada pela morte do menino de 8 anos

Alan de Oliveira | @baco.deoli, sob supervisão de Isabela Barreiros Publicado em 01/06/2022, às 07h54

Mirtes e menino Miguel em registro pessoal - Divulgação/ TV Globo
Mirtes e menino Miguel em registro pessoal - Divulgação/ TV Globo

A mãe de do menino Miguel Otavio, Mirtes Renata, falou sobre o alívio que está sentindo com a condenação deSarí Corte-Real a 8 anos de prisão pelo crime de abandono de incapaz, em decisão tomada na terça-feira, 31 por meio da 1ª Vara dos Crimes contra a Criança e o Adolescente do Recife.

“Minha vontade agora é de gritar. Vou ficar satisfeita quando ela estiver atrás das grades”, falou Mirtes em entrevista.

A mulher passa pela batalha nos tribunais há mais de dois anos, enquanto o caso ia se estendendo, sem a conclusão de alguma sentença ou outras punições. Isso causou revolta no estado de Pernambuco, com uma forte onda de protestos, de acordo com o site Mídia Ninja.

“Queria que ela recorresse sentença presa. Mas só de saber que ela foi condenada, é muita coisa. Dá um certo alívio. Prova que o esforço está dando certo”, completou.

Sari ainda tem direito de recorrer sob a sentença, embora a suspensão condicional da pena seja impossível, uma vez que a ela passa de 2 anos.

“Não há pedido algum a lhe autorizar a prisão preventiva, a sua presunção de inocência segue até trânsito em julgado da decisão sobre o caso nas instâncias superiores em face de recurso, caso ocorra”, deixa evidenciado o boletim de sentença da mulher.

Relembre o caso

Miguel Otávio da Silva, de 5 anos, estava sob os cuidados de Sari quando morreu depois de uma queda do 9º andar de um prédio de luxo em Recife. A então primeira-dama de Tamandaré havia deixado o menino sozinho em um elevador antes do acidente. Presa em flagrante por homicídio culposo, na época foi liberta após pagar uma fiança no valor de R$ 20 mil reais.