Notícias » Brasil

Xuxa relata momento íntimo com Senna e faz revelações sobre Pelé

Em participação no podcast de Sérgio Mallandro, a apresentadora falou sobre diversos momentos da sua vida pessoal; confira

Redação Publicado em 08/04/2022, às 10h54

Xuxa em entrevista
Xuxa em entrevista - Reprodução/ Vídeo do Youtube Canal "Papagaio Falante"

Na noite de ontem, quinta-feira (7), a apresentadora Xuxa Meneghelparticipou do podcast “Papagaio Falante”, apresentado por Sérgio Mallandro e pelo comediante Renato Rabelo. Na conversa de mais de 3 horas, a 'Rainha dos Baixinhos' revelou ter pedido para o piloto tri-campeão mundial e ídolo do Brasil, Ayrton Senna, usar seu capacete em momento íntimo do casal.

Segundo a apresentadora, o fato sucedeu-se após uma conversa com Senna — quem Xuxa chamava carinhosamente de Beco — revelar que um ex-namorado dela pediu para que cantasse o hit infantil 'Quem quer pão' na hora H.

"Quando me relacionei com o Beco, contei como uma coisa engraçada. Só que na hora que a gente foi ficar junto, ele começou a puxar meu cabelo, como se fosse uma chuca, para cima. Eu falei para ele: 'você quer ficar com a Xuxa da televisão, com chuquinha, com bota. Não tem problema. Eu boto a bota, a chuquinha, e você bota o capacete?'. Foi para pagar com a mesma moeda. Na hora que ele foi, eu fiz 'tananam, tananam' [cantando o 'Tema da Vitória']".

Pelé

A símbolo dos anos 1990 no país, também abordou seu relacionamento com o rei do futebol, Pelé. Após conversas em um ensaio fotográfico em 1981, iniciou um namoro de seis anos, sendo o seu ‘primeiro grande amor’.

Na ocasião, disse que o ex-jogador foi bastante insistente, mandando flores, cartões, conversando com os pais de Xuxa e todas as vezes que se viam, se despedia com um beijo na boca. Demorou cerca de um ano para oficializar a união com o ‘Dico’ - como o chamava.

"Foi dos 17 aos 23 anos. Foram seis anos. O Pelé realmente tem dupla personalidade, ele fala na terceira pessoa. Eu me apaixonei muito pelo Dico (apelido), que era muito chegado à minha família, era muito divertido", afirmou.

"Agora, quando tinha essa outra coisa, me deu uma confusão. Às vezes, ele chegava com marca de batom. Ele falava: 'essas mulheres ficam querendo agarrar o Pelé'. Eu, com pouca idade, não entendia direito isso. Achava isso normal. Não foi uma tarefa muito fácil dos meus 17 aos meus 23 anos", acrescentou Meneghel.

Veja a entrevita: