Idade Moderna » Personagem

Mariam Ibrahim, a mulher sudanesa grávida que foi condenada à morte por ser cristã

Mariam foi denunciada pelo seu meio-irmão por ter supostamente abandonado a religião islâmica ao se casar com um homem cristão — e a punição para esse ato era a morte

Ingredi Brunato Publicado em 27/12/2020, às 11h30 - Atualizado às 12h00

Fotografia de Mariam Ishag
Fotografia de Mariam Ishag - Divulgação

Em 2014, um caso ocorrido no Sudão chocou o mundo. A protagonista forçada da situação era Mariam Yahia Ibrahim Ishag, uma mulher que estava grávida do seu segundo filho, quando foi condenada à morte por enforcamento pelo tribunal sudão. 

O motivo da severa sentença era simplesmente que Mariam havia se convertido à religião cristã, uma vez que havia se casado com um homem seguidor dessa crença. Segundo os promotores do caso, a mulher teria nascido islâmica, e devido ao seu laço matrimonial, abandonado a religião, ato que é chamado de “apostasia” e considerado um crime gravíssimo no país. Quem a denunciou foi seu meio-irmão. 

Caso a repressão à liberdade religiosa já não fosse chocante o suficiente, uma vez que nega um direito humano, a situação da mulher sudonesa ainda tinha outro detalhe: ela na verdade foi criada como uma cristã ortodoxa, que era a crença de sua mãe. Dessa forma, nunca teria cometido apostasia. 

Todavia, a justiça sudanesa considerou que Mariam devia ter seguido o islamismo desde o princípio por essa ser a religião de seu pai, ainda que ele nunca tivesse estado presente em sua vida para lhe ensinar as tradições muçulmanas

Fotografia de Mariam com marido / Crédito: Divulgação 

 

Duas penas 

Além da pena de morte, que foi determinada para dois anos após o seu parto, de forma que ela pudesse cuidar de seu filho durante esse período, Ibrahim ainda foi sentenciada à chibatadas. O motivo por trás dessas seria o “crime de adultério”. 

Isso porque, embora a grávida nunca tivesse tido relações sexuais fora de seu casamento, laços matrimoniais entre muçulmanos e seguidores do cristianismo são considerados nulos. Assim, o fato de Mariam ter se casado com alguém que não era membro do Islã foi interpretado como adultério pelas autoridades do Sudão. 

Prisão

O tribunal deu um prazo de três dias para a mulher sudanesa converter-se para o islamismo, todavia Ibrahim recusou-se a fazê-lo, alegando que não podia mudar a fé que nutrira durante sua vida toda sob coerção do sistema legal sudão. 

Apesar dos apelos internacionais, incluindo o da Anistia Internacional e o das embaixadas dos Estados Unidos, Reino Unido, Canadá e Holanda, a grávida acabou sendo encarcerada, e precisou ter seu bebê dentro de uma cela; ainda que passasse por uma gestação complicada, que precisava de acompanhamento médico. 

Em uma declaração para a CNN, o advogado da mulher falou sobre a situação desumana enfrentada por ela e seu recém-nascido: “O filho do casal está passando por um período difícil na prisão. Ele está muito afetado por estar preso desde tão jovem dentro de uma prisão, está sempre doente por falta de higiene e insetos". 

Fotografia de bebê que Mariam teve na prisão / Crédito: Divulgação 

 

Depois de tudo 

Após extensas intervenções da embaixada dos Estados Unidos, Mariam finalmente pôde não apenas ser libertada, mas também deixar o país, buscando exílio em território norte-americano. 

Hoje a sudanesa cristã vive com o marido e os dois filhos na Virgínia, nos EUA, e é cofundadora de uma ONG que ajuda mulheres vítimas de perseguição religiosa e violência doméstica.

Em julho de 2020, uma emenda na legislação sudanesa fez com que a apostasia deixasse de ser punida com a morte. 


+Saiba mais sobre o islamismo através de grandes obras: 

Islamismo: história e doutrina, de Jacques Jomier (2001) - https://amzn.to/2Iq7d9b

Entenda o Islã, de Christine Schirrmacher (2017) - https://amzn.to/2Tu1O7x

Islão: Passado, Presente e Futuro, de Hans Kung (2017) - https://amzn.to/2VR6PZe

As Cem estações da Alma segundo o Sufismo, de Abdullah Ansari de Herat (2019) - https://amzn.to/38td3Bl

O Corão, edição de bolso (2010) - https://amzn.to/2Is87Ci

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W