Testeira

Os cientistas que criaram a maior árvore genealógica do mundo e liga 27 milhões de pessoas

Entenda como essa técnica pode ser crucial para entender a história evolucionária humana

Joana Freitas, arqueóloga Publicado em 13/03/2022, às 10h00

Imagem meramente ilustrativa
Imagem meramente ilustrativa - dandelion_tea, via Pixabay

A genealogia é uma área que desperta interesse em muitas pessoas. Procurar família, construir uma árvore com os parentes que formaram a nossa família num passado mais ou menos distante, além de conhecer as suas histórias é incrivelmente fascinante.

Hoje em dia algumas empresas ajudam-nos a completar a nossa história através de Kits de DNA que nos fornecem ainda mais pistas sobre os locais de onde os nossos antepassados vieram.

Contudo, quanto mais antigo for, mais difícil é encontrar dados. Muitos de nós ficamos felizes em recuar um ou dois séculos, mas, suponha que fosse capaz de descobrir exatamente onde estavam os seus parentes distantes até 100.000 anos atrás?

Essa questão foi levantada e estudada pelos cientistas do Big Data Institute da Universidade de Oxford, que utilizaram a genética para criar a maior árvore genealógica humana alguma vez feita.

A nova pesquisa permite aos indivíduos descobrir quem são os seus antepassados distantes, onde viveram, e como estão relacionados nos dias que correm.

Os cientistas criaram a "maior árvore genealógica do mundo" que liga cerca de 27 milhões de pessoas em todo o mundo, tanto vivas como mortas, sendo que esta nova rede genealógica revela como os indivíduos em todo o mundo se relacionam uns com os outros em detalhe sem precedentes.

Segundo os cientistas, eles foram capazes de criar uma enorme árvore genealógica familiar, uma genealogia para toda a humanidade que modeliza o mais exatamente possível a história que gerou toda a variação genética que encontramos nos seres humanos de hoje.

Para que tal fosse possível, os investigadores combinaram genomas humanos tanto do DNA antigo, como do moderno, para obterem uma melhor compreensão da história e evolução humanas.

Para criar a árvore genealógica, eles sequenciaram os genes de 3.609 pessoas de 215 populações, sendo que algumas delas datam de há 100.000 anos atrás. A investigação possibilita mostrar que genes são compartilhados entre duas pessoas, o que significa que qualquer pessoa que tenha acesso à sua própria informação genética pode descobrir quando os seus antepassados se mudaram para um determinado lugar e porque têm certos genes.

Em outras palavras, esta genealogia permite-nos ver como a sequência genética de cada pessoa se relaciona com todas as outras, ao longo de todos os pontos do genoma.

Contudo, este tipo de investigação levanta algumas questões, entre elas, provavelmente a mais difícil de lidar é a quantidade de dados que estão a ser tratados.

Embora a investigação genética humana se tenha desenvolvido aceleradamente nas últimas décadas, os cientistas têm batalhado quando se trata de desenvolver formas de lidar com uma tão grande quantidade de dados e combinar genomas antigos e modernos.

Para resolver essa questão, a equipa em Oxford criou algoritmos que tornam possível combinar genomas na ferramenta. Isto permitiu que os investigadores criassem aquilo a que chamam uma “genealogia humana”.

Ainda segundo os cientistas responsáveis pelo projeto, a investigação confirmou crenças existentes sobre a história humana, como a ideia de que a maior parte da evolução humana teve lugar em África há cerca de 70.000 anos. Embora digam que os dados são "confirmatórios em muitos aspectos", também levantam algumas questões.

Por exemplo, sugerem que migrações desconhecidas ocorreram no passado, incluindo provas que sugerem que os antepassados humanos estiveram na América do Norte mais cedo do que pensávamos anteriormente.

No entanto, para alcançar total precisão dizem ser necessária mais investigação e a adição de mais genomas. Embora ainda com algumas limitações, a equiea acredita que este estudo vai ser um recurso realmente rico para futuras investigações sobre a história evolucionária humana.