Moda com História » Cristóbal Balenciaga

Filho de um pescador, Cristóbal Balenciaga desenhou seu primeiro vestido aos 12 anos

Cristóbal Balenciaga criou estilos que ainda apaixonam diferentes gerações

Pedro Paulo Furlan, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 27/10/2021, às 19h53 - Atualizado em 28/10/2021, às 09h40

Cristóbal Balenciaga em ilustração
Cristóbal Balenciaga em ilustração - Openthedoor Estúdio de Animação (todos os direitos reservados)

Cristóbal Balenciaga: Inegavelmente inspirado pela arte e cultura de seu país natal, a Espanha, além de inúmeras simbologias, o designer é um nome que não pode ser ignorado quando falamos de moda. 

Desde sua infância em uma cidade pesqueira, ao luxo de sua vida como o cabeça de uma das maiores casas de costura do mundo, a história do estilista é um exemplo de crescimento e sucesso.

Natividade de Balenciaga

Animação ‘Balenciaga: Das cores fortes de Goya aos Simpsons' - Openthedoor Estúdio de Animação (todos os direitos reservados)

 

O futuro estilista nasceu no ano de 1895, em Getaria, na costa espanhola, um município famoso por sua produção pesqueira. Seu pai seguiu a carreira de pescador, enquanto mãe — fundamental para a história do designer — era costureira.

Sempre acompanhando a mãe e passando horas ao seu lado enquanto ela costurava, Cristóbal Balenciaga desenvolveu interesse por roupas e começou a desenhar suas próprias peças. 

Em Getaria também morava a nobre que viria a ser a primeira cliente oficial do pequeno designer, a Marquesa de Casa Torres. A mulher mais notável da cidade comprou um desenho de Balenciaga quando ele tinha apenas 12 anos.

Apaixonada pelo talento do jovem, a nobre enviou o menino estilista para Madrid, onde foi treinado formalmente em alfaiataria. Todos os produtos que Balenciaga enviava de para Casa Torres analisar, a marquesa usava com orgulho, encorajando o sonho do garoto que se tornaria um dos maiores costureiros do mundo.

Aos 20 anos de idade, Cristóbal Balenciaga abriu sua primeira casa de costura e boutique na cidade de San Sebastián.

Além disso, os designs do estilista tiravam inspiração das cores e formatos da simbologia católica. Esta conexão à cultura espanhola mostrava que Balenciaga diferenciava-se do que estava acontecendo na época, criando peças que atraíam clientes por sua criatividade.

Intitulada Eisa, a boutique em San Sebastián fez sucesso entre a aristocracia e família real espanhola, além de acumular clientes americanos entre as estrelas estadunidenses da época. Balenciaga abriu lojas em Madrid, no ano de1933, e Barcelona, em 1935.

'O rei está morto'

Criações de Balenciaga na animação ‘Balenciaga: Das cores fortes de Goya aos Simpsons' - Openthedoor Estúdio de Animação (todos os direitos reservados)

 

Com o estopim da Guerra Civil Espanhola em 1936, o designer, ao lado de seu companheiro de vida, o milionário franco-polonês Władzio Jaworowski d’Attainville, decidiu deixar a Espanha e mudar-se, levando a boutique para Paris, capital da moda internacional.

Crescendo ainda mais na capital francesa, o estilista por trás do vestido-balão, expôs sua primeira coleção em um desfile menos de um ano depois, em 1937. 

Em Paris, a fama de Balenciaga pareceu não ter limites para o quanto podia crescer. O estilista era único, com habilidades treinadas de alfaiataria e seu estilo facilmente identificável. Com linhas diretas, recortes diferenciados, domínio das rendas e cores inspiradas pela arte espanhola fizeram grande sucesso entre a alta sociedade.

Em 1968, após suas incontáveis contribuições à haute couture, sendo chamado por Christian Dior, inclusive, de “o mestre de todos nós”, Balenciaga decidiu fechar a casa de costura e se aposentar. 

O estilista por trás dos visuais de estrelas faleceu em 24 de março de 1972, em sua casa, na Espanha. No dia de sua morte, a publicação de moda Women’s Wear Daily foi ao ar com a manchete “O rei está morto”.

A Aventuras na História desenvolveu, em parceria com a especialista em História da Moda, Laura Wie, e a Openthedoor Estúdio de Animação a animação ‘Balenciaga: Das cores fortes de Goya aos Simpsons'.

Abaixo, você confere a saga do estilista.